Quer exportar online na Europa? UE vai facilitar pagamento do IVA entre os Estados-membros

Atualmente os negócios online têm de se registar nos sistemas de IVA de todos os Estados-membros onde vendam bens. Mas isso vai mudar com a criação de um portal único.

Atualmente as empresas que queiram vender através da internet têm de se registar nos sistemas de IVA de cada Estado-membro. A Comissão Europeia (CE) vai mudar isso: esta quinta-feira apresentou uma proposta para simplificar o processo unificando tudo num portal único, o VAT One Stop Shop. As novas regras vão também permitir que o IVA pago seja o do país do consumidor final.

A Comissão Juncker quer simplificar as regras no que toca ao IVA relativo à venda de bens e serviços online. Em causa, diz a CE, estão melhorias não só para as pequenas e médias empresas europeias, mas também em termos de receitas para os Estados-membros. A palavra de ordem é simplificação para que os custos dos negócios diminuam.

“Estamos a cumprir a nossa promessa de desbloquear o e-commerce na Europa”, defendeu o vice-presidente da Comissão Europeia para o Mercado Digital Único. Andrus Ansip afirmou que a proposta “não só vai dar um impulso aos negócios, especialmente os mais pequenos e as startups, mas também vai fazer com que os serviços públicos sejam mais eficientes e vai aumentar a cooperação além-fronteiras“.

A Comissão Europeia explica que atualmente os negócios online têm de se registar nos sistemas de IVA de todos os Estados-membros onde vendam bens. “Frequentemente citadas como as maiores barreiras no e-commerce além-fronteiras, estas obrigações com IVA custam às empresas cerca de oito mil euros por cada país da União Europeia onde vendam”, refere o comunicado.

As medidas

  • A Comissão Europeia propõe que as empresas utilizem a VAT (IVA) One Stop Shop. Com este novo sistema os negócios vão ter apenas de fazer “um simples pagamento trimestral para o IVA por todo o território da União Europeia”, deixando de existir a burocracia associada a cada regime de um país;
  • A burocracia para as empresas “será reduzida em 95%, poupando cerca de 2,3 mil milhões de euros no total da União Europeia e aumentando as receitas de IVA para os Estados-membros em sete mil milhões”;
  • O sistema prevê ainda que as empresas que, anualmente, transacionem até 10 mil euros podem cobrar a taxa de IVA do país de origem aos consumidores externos. Quando o valor é até aos 100 mil euros, a empresa verá as regras simplificada para que possa identificar o país de origem do consumidor;
  • Para combater a fraude relativa ao IVA, a Comissão Europeia vai eliminar uma exceção existente: a isenção de IVA para certos produtos aplicável apenas às empresas que não são da União Europeia;
  • Por fim, a CE quer unificar as taxas de todos os Estados-membros relativos à publicação de e-books e jornais online, tornando-as mais baixas ou mesmo acabando com as taxas.

Este sistema já existe nas vendas de serviços online, como por exemplo as aplicações para smartphones, e a Comissão Europeia argumenta que foi uma mudança “bem sucedida”: em 2015 o sistema coletou três mil milhões de euros em IVA.

Editado por Paulo Moutinho

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer exportar online na Europa? UE vai facilitar pagamento do IVA entre os Estados-membros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião