Passos sobre Itália: “Esta pode ser uma crise mais grave do que as outras”

  • Margarida Peixoto
  • 5 Dezembro 2016

Pedro Passos Coelho, líder do PSD, avisou que a crise política italiana, na sequência do resultado do referendo e da demissão de Matteo Renzi, pode ser mais grave. A banca tem dificuldades, lembrou.

“Ninguém pode dizer que só por Itália lidar com crises políticas, esta não possa vir a transformar-se numa crise mais grave do que as outras”, alertou Pedro Passos Coelho, líder do PSD, esta segunda-feira, no ECO talks, um evento organizado pelo ECO, em Lisboa.

O ex-primeiro-ministro reagia assim ao resultado do referendo italiano e ao anúncio de demissão de Matteo Renzi. Passos Coelho defendeu que a crise política poderia ter sido evitada se Renzi não tivesse “transformado o referendo numa espécie de plebiscito à sua continuidade”.

Os riscos são mais elevados, explicou, por causa da fragilidade do sistema bancário italiano. “Há um ano que o Governo italiano anda a gritar aos quatro ventos que tem problemas nos bancos”, notou. “A situação dos bancos é complicada”, reforçou, lembrando que Itália “não cresce e tem a segunda maior dívida pública da Europa, a seguir à Grécia.”

Ainda assim, o líder dos social-democratas reconheceu alguns méritos à reforma constitucional que foi proposta por Renzi, na medida em que ela permitia “simplificar o processo de decisão” e facilitar a obtenção de maiorias parlamentares. “Nos tempos de maiores dificuldades é quando o Governo precisa de ter mais força,” argumentou. “Mas os italianos não estão muito disponíveis para dar esse salto”, concluiu, reconhecendo, contudo, que a abrangência dos poderes que passaria a ter o partido vencedor de eleições pudesse “causar alguma desconfiança”.

Matteo Renzi anunciou este domingo a sua demissão, na sequência da vitória do “Não” ao referendo sobre alterações à Constituição.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Passos sobre Itália: “Esta pode ser uma crise mais grave do que as outras”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião