Salários na Caixa: Proposta do PSD é uma “hipocrisia”, diz PCP

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 6 Dezembro 2016

Jerónimo de Sousa garantiu que os comunistas foram "pioneiros" nesta matéria, ao apresentarem uma proposta para limitar os salários dos gestores que também não acolheu apoio do PSD.

O PCP vai chumbar a proposta do PSD que limita os salários dos administradores da Caixa porque a considera “uma hipocrisia”. As palavras são de Jerónimo de Sousa, que, durante o Fórum TSF, garantiu que os comunistas foram “pioneiros” nesta matéria, ao apresentarem uma proposta para limitar os salários dos gestores que não acolheu o apoio do PS nem do PSD.

Por ter sido chumbada esta iniciativa, o PCP não pode insistir no assunto nesta sessão legislativa, recordou Jerónimo. E porque não apoia o PCP a proposta dos deputados do PSD, conforme noticia hoje o Diário de Notícias? “O PSD está interessado em tudo menos na recapitalização e na reestruturação da Caixa”, afirmou o secretário-geral do PCP. “Não está nada preocupado com os vencimentos. O PSD quer a privatização da Caixa Geral de Depósitos, o seu desmembramento e a privatização de partes suculentas daquele banco”, acrescentou.

Se o PSD está tão preocupado com o nível de vencimentos dos administradores da Caixa, porque votou contra a proposta do PCP?, questionou então Jerónimo de Sousa aos microfones da TSF. E o contrário também não acontecerá — o PCP não acolhe a proposta do PSD “porque aquilo é uma hipocrisia”, defendeu.

O tema volta hoje à Assembleia da República. A administração da Caixa vai mudar mas tudo indica que os salários serão mantidos. Macedo vai receber os mesmos 423 mil euros por ano, mais prémios consoante os resultados da CGD, o que pode catapultar o valor para mais de meio milhão. O valor é criticado pelo BE e pelo PCP, mas também pelo PSD e CDS que apresentam novamente esta terça-feira propostas no Parlamento.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salários na Caixa: Proposta do PSD é uma “hipocrisia”, diz PCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião