Corticeira Amorim já faturou 600 mil euros com aplicação para relvados

A solução para os relvados de futebol rende à Corticeira Amorim 100 mil euros para cada campo em que é incorporada. Empresa já aplicou solução em seis estádios. Ronaldo treina em "solo" luso.

A nova solução desenvolvida pela Corticeira Amorim para os relvados naturais de futebol rende à empresa cerca de 100 mil euros por cada estádio em que é incorporada, adiantou ao ECO fonte oficial da empresa. Contas feitas a empresa já terá faturado 600 mil euros com a nova aplicação.

A aplicação desenvolvida pela Corticeira em parceria com a Natural Grass já foi aplicada em seis estádios de futebol: quatro durante o campeonato da Europa de futebol, que teve lugar este verão em França, e no qual Portugal se sagrou campeão da Europa, e ainda no principal campo de treinos do Real Madrid e do Arsenal.

A informação foi avançada pelo presidente da Corticeira, António Rios Amorim, durante a sua intervenção na conferência da Apcor, associação do setor da cortiça que teve lugar no dia 6 de dezembro, no Terminal de Cruzeiros de Leixões.

Fontes da Corticeira Amorim adiantam ao ECO que “há muitos outros contactos em curso mas nada que possa ser adiantado para já, porque não há nada fechado”. A mesma fonte salienta que “em Portugal é mais difícil, na medida em que ainda estamos no rescaldo do Euro2004 e portanto não há grande margem para mais investimentos na área”. “Mas obviamente que era uma solução boa para os relvados nacionais”, refere a mesma fonte.

Um dos contactos que estará mais avançado é com o Qatar, mas para já são “apenas contactos”, refere fonte oficial da Corticeira Amorim. A Corticeira não revela contudo o montante do investimento realizado para desenvolver a nova tecnologia.

A tecnologia AirFibr foi desenvolvida pela Amorim Isolamentos e incorpora cortiça, relva natural e microfibras sintéticas e torna os relvados mais resistentes, reduzindo o impacto da queda dos jogadores em cerca de 40%.

O líder mundial da cortiça adianta que “o granulado de cortiça expandida usado na solução confere-lhe uma maior absorção ao choque, fazendo com que o contacto do jogador com o solo seja minimizado”.

Segundo a corticeira a nova tecnologia face a um relvado tradicional tem como principal vantagem a preservação da relva e a elevada durabilidade, mesmo nos períodos sujeitos a grandes índices de chuva.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corticeira Amorim já faturou 600 mil euros com aplicação para relvados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião