Multa recorde para a Pfizer por inflacionar preço de medicamento

  • Marta Santos Silva
  • 7 Dezembro 2016

Contribuir para o aumento em mais de 2000% do preço de um medicamento para a epilepsia vai sair caro à farmacêutica, com uma multa milionária no Reino Unido.

É uma multa recorde: a entidade reguladora do mercado no Reino Unido multou a farmacêutica Pfizer em 84,2 milhões de libras, cerca de 99 milhões de euros, pelo seu papel no aumento em mais de 2000% do preço de um medicamento para a epilepsia.

O caso remonta a 2012, quando a Pfizer vendeu os direitos do medicamento, que vendia sob o nome de Epanutin, a uma empresa britânica, a Flynn Pharma. Quando foi vendido, o medicamento deixou de ter essa marca e o preço deixou de estar controlado, o que levou a um aumento de 2,83 libras por pacotes de 100 miligramas para 67,50 libras pela mesma quantidade.

“As empresas exploraram deliberadamente a oportunidade oferecida pelo debranding [estratégia de retirar a marca] para aumentar o preço de um medicamento de que milhares de doentes dependem”, disse Philip Marsden, o chairman do regulador Competition and Markets Authority. “Esta é a maior multa que a CMA alguma vez impôs, e envia uma mensagem clara ao setor de que não vamos tolerar este comportamento”, completou Marsden, citado pela agência Reuters.

Também a Flynn Pharma, a quem a Pfizer vendeu o medicamento cujo preço foi manipulado, foi multada em 5,2 milhões de libras, cerca de seis milhões de euros.

Os preços do antigo Epanutin eram muitas vezes mais elevados no Reino Unido do que no resto dos países da União Europeia, e a despesa do serviço de saúde britânico nestes medicamentos subiu de dois milhões de libras em 2012 para cerca de 50 milhões em 2013.

A multa chega numa altura em que a manipulação dos preços dos medicamentos está no centro do debate público internacional. No ano passado, a farmacêutica norte-americana Turing Pharmaceuticals, detida então pelo empresário Martin Shkreli, causou um escândalo mundial ao aumentar em mais de 5000% o preço de um medicamento usado para tratar pessoas com HIV.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Multa recorde para a Pfizer por inflacionar preço de medicamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião