Pfizer afinal não vai dividir-se em duas empresas

  • Rita Atalaia
  • 26 Setembro 2016

Após anos de especulação sobre uma possível divisão da Pfizer em duas empresas, a farmacêutica decidiu manter-se como uma firma por acreditar que é o melhor para os acionistas.

A Pfizer decidiu não se dividir em duas empresas, após anos de especulação sobre a possível separação das unidades Pfizer Innovative Health e Pfizer Essential Health. A decisão prende-se no facto de a empresa acreditar que este é o melhor caminho para os acionistas.

“Com esta decisão, as nossas duas unidades distintas vão continuar a ser duas divisões geridas separadamente dentro da Pfizer, que acreditamos ser atualmente a melhor estrutura para continuar a cumprir os nossos compromissos com os pacientes, médicos, contribuintes e governos e para gerar valor para os nossos acionistas“, diz o presidente e CEO, Ian Read, num comunicado divulgado esta segunda-feira pela farmacêutica.

"As nossas duas unidades distintas vão continuar a ser duas divisões geridas separadamente dentro da Pfizer, que acreditamos ser atualmente a melhor estrutura para continuar a cumprir os nossos compromissos com os pacientes, médicos, contribuintes e governos e para gerar valor para os nossos acionistas”

Ian Read, presidente da Pfizer

Em abril, a Pfizer disse que decidiria sobre uma possível separação até final do ano, depois de ter fracassado a fusão com a Allergan no valor de 150 mil milhões de dólares. Segundo a Bloomberg, os investidores aguardavam por esta decisão desde 2012.

“Ao operarmos duas unidades autónomas e separadas dentro da Pfizer, já estamos a ter acesso a muitos dos potenciais benefícios de uma divisão – foco mais preciso, maior responsabilização e um maior sentido de urgência”, acrescenta Read.

As unidades Pfizer Innovative Health e Pfizer Essential Health registaram um bom desempenho em termos homólogos ao longo dos últimos três anos, assim como resultados fortes até ao final da primeira metade de 2016, lê-se no comunicado.

A gigante farmacêutica diz ainda que a decisão não tem impacto nas previsões para os resultados em 2016 e reafirmou os alvos para este ano, divulgados em agosto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pfizer afinal não vai dividir-se em duas empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião