António Costa: descentralização avança em 2017

  • ECO
  • 10 Dezembro 2016

O primeiro-ministro defendeu este sábado que o incremento da descentralização do Estado é a melhor forma de celebrar os 40 anos do poder local democrático em Portugal.

O primeiro-ministro deixou este sábado a garantia de que a descentralização da administração pública vai mesmo avançar. A garantia foi dada durante a abertura da convenção dos 40 anos de Poder Local organizada em Coimbra pela Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP). O primeiro trimestre de 2017, é a data prevista para avançar com a medida que visa dar mais poder às autarquias.

António Costa, disse que o incremento da descentralização do Estado é a melhor forma de celebrar os 40 anos do poder local democrático em Portugal. Durante a sua intervenção, o primeiro-ministro, defendeu que “o poder atribuído a quem está mais próximo” dos cidadãos é um poder que “mais eficazmente resolve os problemas das populações”. “A melhor forma de celebrar estes 40 anos do poder local democrático é confiar e apostar na necessidade de maior descentralização”, reiterou.

O líder do executivo português disse ainda que vê “com agrado as propostas recentemente apresentadas pela oposição, em particular pelo PSD” considerando que “são contributos essenciais que têm de ser considerados juntamente com as propostas que o governo apresentará e outros partidos apresentarão para concretizar no primeiro trimestre do próximo ano a reforma da descentralização”.

A expectativa de António Costa é de que até ao final do mês a discussão com a Associação Nacional de Municípios e a Associação Nacional de Freguesias fique concluída.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa: descentralização avança em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião