Triplicam ataques informáticos a empresas

Um quinto das empresas em todo o mundo já sofreu um ataque informático de sequestro de dados. Há um ataque a cada 40 segundos, garantem os especialistas da Kaspersky.

O sequestro de ficheiros informáticos a empresas triplicou nos primeiros nove meses do ano. A burla, conhecida por ransomware, tem vindo a fazer cada vez mais vítimas: só no terceiro trimestre do ano, a cada 40 segundos houve um ataque informático deste género a uma empresa. Os dados foram avançados pela empresa de segurança informática Kaspersky.

O ransomware é um vírus digital que encripta os ficheiros e dados pessoais aos utilizadores. Para essa informação ser desbloqueada, os burlões exigem o pagamento de um resgate — por norma, uma soma avultada. A Kaspersky estima que “uma em cada cinco empresas no mundo” tenha sofrido um ataque de ransomware. O problema é ainda maior entre particulares, registando-se um ataque a um utilizador a cada dez segundos, garante a mesma firma.

Os especialistas têm vindo a apelar a que não se ceda à chantagem, uma vez que isso incentiva a que a burla continue. Aliás, muitas vezes, os utilizadores ou empresas não recuperam os dados mesmo depois do pagamento, algo que acontece a um quinto das pequenas firmas que sofreram ataques de ransomware e que pagaram o resgate, refere o relatório.

Um ataque de “ransomware” pode fingir ser uma entidade oficial para enganar mais facilmente as vítimasWikimedia Commons

O setor mais propício? A Educação

“Não existe um setor de baixo risco” de exposição a ransomware, explica a Kaspersky. Mas isso não impede que se possa concluir o que sofre mais e o que sofre menos deste mal. De um lado, a Educação, com a maior das taxas de incidência, de cerca de 23%. Do outro, o Comércio e Lazer, com 16% de taxa de incidência deste tipo de ataque.

Dados que fazem sentido, tendo em conta que basta um clique numa ligação insuspeita, ou a instalação de um programa corrompido para que o ransomware se instale no computador da vítima ou, pior, se estenda à rede e servidores de uma empresa. Neste campo, a empresa de segurança alerta que “a má qualidade começou a aparecer”. Estamos a falar de erros ou gralhas nas notas de resgate, que aumentam as hipóteses de nunca se conseguir recuperar os dados bloqueados.

A notícia parece indicar que ainda há muito trabalho por fazer na prevenção deste tipo de problema. A Kaspersky, em parceria com a Europol, criou o projeto No More Ransomware, ao qual se juntou mesmo a Polícia Judiciária portuguesa. O grupo tem facultado gratuitamente as chaves de encriptação para alguns dos programas maliciosos, sendo que o principal conselho dado a particulares e empresas é o de que devem manter uma cópia de segurança dos dados, que deve ser guardada num sistema independente.

Por fim, de acordo com a mesma nota, até os simuladores de ransomware desenvolvidos como ferramenta de teste para os administradores foi “rapidamente explorado por hackers“, que os transformaram em vírus informáticos reais. No total, “62 novas famílias” deste género de programa, operacionais durante o ano.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Triplicam ataques informáticos a empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião