Vai nascer um fundo para espalhar banda larga na Europa

A Comissão Europeia vai criar um fundo comunitário, com capital público e privado, para desenvolver infraestruturas de banda larga na Europa. O montante total é de 500 milhões de euros.

O Mercado Único Digital tem sido um aposta forte da Comissão Europeia. Mas, para funcionar, os cidadãos europeus precisam de ter acessos à internet de qualidade. É a pensar nisso que Bruxelas, em conjunto com o Banco Europeu de Investimento, vai criar um fundo para reforçar as infraestruturas de banda larga em regiões menos desenvolvidas da Europa.

Nasce assim o fundo Connecting Europe Broadband, ou “Conectar a Banda Larga na Europa”, ao abrigo do Plano Juncker e no qual vão entrar, para além das duas instituições públicas, os bancos de fomento alemão, italiano e francês. “É um passo importante para a implementação das redes de alta capacidade que a Europa precisa para uma sociedade e economia digitais”, defende a Comissão em comunicado.

A primeira ronda deverá juntar um montante total de pelo menos 500 milhões de euros — e uma fatia de 100 milhões de euros será aplicada pela Comissão Europeia. O objetivo é alavancar entre sete a 12 projetos todos os anos, com aplicações entre um milhão de euros e 30 milhões de euros. Os investimentos arrancam já em meados de 2017, até 2021 — altura pela qual Bruxelas estima ter investido em 20 países do continente no âmbito desta iniciativa.

Para concorrerem, os projetos terão de ter um custo total inferior a 150 milhões de euros. Para investir, o fundo usará instrumentos de capital, quase-capital, nomeadamente mezzanine e dívida subordinada. Espera-se ainda que desbloqueie investimentos adicionas de 1 a 1,7 mil milhões de euros em infraestruturas de banda larga.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vai nascer um fundo para espalhar banda larga na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião