Alojamento Local elabora manual de boas práticas para evitar guerras em condomínios

  • Lusa
  • 14 Dezembro 2016

As recomendações serão disponibilizadas ao público em geral depois de apresentadas aos associados.

A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) está a trabalhar num manual de boas práticas para evitar uma “guerra desnecessária” com os condomínios, recomendando um maior e mais frequente diálogo com vizinhos.

Depois de as fazer chegar aos associados, as recomendações serão disponibilizadas ao público em geral, informou o presidente da ALEP, Eduardo Miranda, à Lusa, exemplificando a necessidade de haver comunicação prévia ao “condomínio e vizinhos que a unidade está registada como Alojamento Local (AL) e explicar o que é o AL e como funciona”.

“Muitos não sabem que Portugal foi um dos primeiros países a exigir ao AL que registe todos os hóspedes de nacionalidade estrangeira e enviem ao SEF”, notou o responsável, referindo ainda existirem seguros para danos comprovadamente causados por hóspedes.

Eduardo Miranda referiu ainda que plataformas digitais, como Airbnb e Homeaway, já criaram “capítulos no anúncio para inserir as regras dos condomínios e casas”.

“Devem incluir as regras aqui de forma clara e assertiva, destacando as principais obrigações, para que o hóspede saiba o que é fundamental antes de fazer a reserva”, acrescentou o responsável, indicando que as regras mais importantes devem ser fixadas no alojamento, entregues pessoalmente em mãos aos hóspedes, que, por seu lado, deverão assinar um termo a garantir que conhecem e são responsáveis pelo seu cumprimento.

“Lembrando que a caução de garantia deixada pode ser usada em caso de não serem respeitadas algumas destas regras fundamentais de convívio”, concluiu.

Na lista de recomendações está também o diálogo recorrente com os vizinhos e “questionar se tudo tem corrido bem”, devendo utilizar-se estes contactos para “avaliar se há algo que deve ser melhorado ou se há medidas preventivas adicionais que podem ser tomadas”.

Aos vizinhos ou encarregados do condomínio devem ser deixados um contacto pessoal, com o pedido para o responsável do AL “ser avisado imediatamente se surgir qualquer problema”.

“Simples regras” podem resolver a “grande maioria dos possíveis problemas que possam surgir nos condomínios, evitando assim que uma sequência de pequenos incidentes possa criar um conflito que, no extremo, leve a uma disputa em tribunal”, comentou à agência Lusa.

A ALEP está “convicta de que estas questões são pontuais e que, com a colaboração dos titulares e uma boa comunicação com o condomínio e vizinhos, em breve a discussão será algo do passado e a relação encontrará o seu equilíbrio como aconteceu no Algarve e outras regiões, onde este convívio é antigo e pacífico”.

O dirigente da ALEP referiu só conhecer dois processos judiciais sobre a questão dos condomínios e AL e que o “suposto conflito está a ser largamente inflacionado”.

“Está a tentar-se criar receio em relação ao AL num ambiente (condomínios) que é muito conservador e dado a conflitos. Isto é muito grave, pois pode criar uma guerra desnecessária nos condomínios que tende a migrar para um discurso de intolerância, contra os turistas e estrangeiros em geral”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alojamento Local elabora manual de boas práticas para evitar guerras em condomínios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião