Associação de Alojamento Local acusa: Hotéis querem “aniquilar a concorrência”

  • Lusa
  • 30 Novembro 2016

Associação de Hotelaria Portuguesa vai criar "guerra civil" nos condomínios e quer "aniquilar a concorrência", afirma o presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal.

O presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) acusou hoje a Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) de propor uma “quase aniquilação da concorrência”, ao referir que os condomínios devem autorizar a instalação de alojamentos.

“Na prática o que estão a propor é inviabilizar a entrada de novas unidades no AL, ao proporem unanimidade do condomínio para que um novo alojamento se instale na modalidade de apartamentos”, argumentou Eduardo Miranda, acrescentando que podem encerrar também “70% dos alojamentos existentes”.

“É uma proposta de quase aniquilação da concorrência porque coloca em causa um setor que está a trazer um grande impacto positivo na economia local e na reabilitação urbana ao pedir a aprovação do condomínio”, disse à agência Lusa.

As críticas surgem um dia depois da apresentação de um estudo realizado pela Universidade Nova de Lisboa e promovido pela AHP com vista a alterações no regime legal do AL e após solicitação da Secretaria de Estado do Turismo.

Eduardo Miranda anotou as dificuldades de aprovação pelos condomínios para “algo de que não tirem benefício imediato e pessoal, é quase impossível”, pelo que prevê, com as propostas da AHP, uma “guerra civil nos condomínios”. Em causa podem estar cerca de 15 mil famílias que “fizeram os seus investimentos” em AL.

No estudo da Nova foi referido que a prática tem ignorado a lei sobre decisões de condóminos na alteração do fim para que um imóvel é utilizado.

Com a sugestão de mais regras para hostels, o responsável estimou, assim, “sobrarem o AL com perfil hoteleiro”, os que ocupam a maior parte de um prédio, e os alojamentos disponíveis por menos de 60 dias por ano e por um mínimo de cinco noites, pelo que não precisavam de autorização, segundo a proposta da AHP. “Uma vez que o mercado vai continuar a pedir este tipo de solução (AL) é empurrar para a ilegalidade o mercado todo”, resumiu.

Valor indicado para alojamentos não registados é “ridículo”

Sobre as percentagens de alojamentos apenas inscritos em plataformas digitais e não no Registo Nacional de Alojamento Local (RNAL), que, segundo a AHP, ronda os 40%, a ALEP diz ser “ridículo”. Eduardo Miranda explicou terem sido sinalizados anúncios existentes, indicando que na monitorização da ALEP há “quase dois mil anúncios (nas plataformas) que nunca tiveram uma única reserva”.

Para Lisboa, os cálculos de anunciantes sem registo ronda os 22%, segundo a ALEP, enquanto no Porto há “um pouco mais”.

A ALEP também recusou a correlação entre as subidas dos preços dos valores de rendas e das transações de imóveis com as alterações legais no AL em 2014 por ser “incorreto tecnicamente, ao utilizar duas variáveis com uma componente de crescimento similar” e excluindo outras.

Eduardo Miranda disse ainda estranhar que a AHP tenha dado prioridade ao AL em vez de se concentrar na “proposta dos empreendimentos turísticos, que a Secretaria de Estado (do Turismo) já disse que é a prioridade” e considerou que este estudo “parece essencialmente uma posição corporativa de defesa de mercado”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação de Alojamento Local acusa: Hotéis querem “aniquilar a concorrência”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião