Há freguesias lisboetas onde um quinto das casas é para turistas

Se o alojamento local contribuiu para a requalificação das cidades, ajudou também a que os preços das casas aumentassem muito. Em dois anos, as rendas nas zonas turísticas mais populares subiram 26%.

O alojamento local tem um peso cada vez maior sobre o mercado imobiliário, sobretudo em Lisboa e no Porto. Na capital, já há freguesias onde o alojamento local representa mais de 20% do total de fogos disponíveis — é o mesmo que dizer que um quinto das casas que existem só estão disponíveis para arrendar a turistas. No Porto, o peso é menor, mas também já há freguesias onde o alojamento local representa mais de 10% do número de habitações.

A conclusão consta do estudo “Alojamento Local – Qual o Fenómeno?“, encomendado pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) às faculdades de Direito e de Economia da Universidade Nova de Lisboa. O estudo faz a caracterização da oferta do mercado português do alojamento local, medindo depois o impacto desta oferta sobre o setor imobiliário e analisando, por fim, o regime jurídico em que o alojamento local se enquadra.

É no primeiro ponto que se aborda a presença de alojamento local em cada freguesia. Santa Maria Maior, a freguesia lisboeta onde se encontram bairros como Alfama ou o Chiado, altamente populares entre os turistas, é a que tem maior percentagem de alojamentos locais: 22% das casas existentes nesta freguesia estão registadas no Airbnb, plataforma de arrendamento de curto prazo.

Peso do alojamento local sobre o mercado imobiliário.
Peso do alojamento local sobre o mercado imobiliário.Telmo Fonseca / ECO

Se considerarmos apenas as casas que estão registadas no Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL), a percentagem nesta freguesia é menor (é de 15,1%), mas isso não quer dizer que, afinal, há menos casas que só estão disponíveis para turistas. Quer dizer que a diferença entre estes dois valores é o número de casas que exerce atividade turística de forma ilegal, sem estar registada oficialmente.

Depois de Santa Maria Maior, a Misericórdia (onde se encontra o Bairro Alto) é a segunda freguesia com maior proporção de alojamento local no mercado imobiliário: 18,5% das casas disponíveis são para turistas.

No Porto, destaca-se a União de Freguesias da Cedofeita, onde 11% das casas disponíveis estão registadas no Airbnb.

Rendas aumentaram 26%

E qual o impacto desta oferta turística para os habitantes da cidade? Há os dois lados da moeda. No final da apresentação do estudo, que decorreu esta manhã na reitoria da Universidade Nova, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, lembrou, por exemplo, que, desde que o novo regime do alojamento local entrou em vigor, em 2014, cerca de 10 mil imóveis foram requalificados, sendo que cerca de 40% destes estavam desocupados.

“É inquestionável o papel importante que o alojamento loca tem tido na requalificação urbana e a forma como voltou a dar vida às cidades e a muitos dos nossos espaços”, disse a governante.

O outro lado da moeda é que viver nas cidades, sobretudo em Lisboa e no Porto, ficou bem mais caro. O estudo da Nova nota que, antes de 2014, quando foi aprovado o novo regime, as rendas nas zonas onde o alojamento local é mais popular rondavam os 9,5 euros por metro quadrado. Hoje, as rendas nestas mesmas zonas rondam os 12 euros por metro quadrado, um aumento superior a 26%.

Os autores do estudo calculam que, se o novo regime do alojamento local não tivesse entrado em vigor, as rendas nestas zonas ficariam a rondar hoje os 10,3 euros por metro quadrado.

A evolução dos preços das casas que estão para venda também é reveladora. Nas zonas onde a concentração de alojamento local é elevada, o preço médio por metro quadrado passou de 2.022 euros em 2013 para 2.784 em 2016. Sem regime do alojamento local, o preço médio seria de 2.133 euros por metro quadrado, estimam os autores do estudo.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há freguesias lisboetas onde um quinto das casas é para turistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião