TAP quer triplicar voos para os EUA para 70 por semana

Em vista estão destinos como Washington ou Chicago. Mas a demora resolver a questão do alargamento da Portela está a atrasar os planos da companhia aérea nacional.

A TAP está, atualmente, a operar 23 voos por semana para os Estados Unidos. David Neeleman quer triplicar este número para 70 já nos próximos três anos.

“No inverno do ano passado, tínhamos oito voos por semana para os EUA. Hoje, temos 23 por semana. Eu quero levantar esse número para 70 por semana nos próximos três anos”, disse o acionista da TAP, que falava aos jornalistas à margem do Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo, a decorrer nos Açores.

Em vista estão destinos como Washington e Chicago, nos EUA, e mesmo outros destinos na América do Norte, como Montreal e Toronto, no Canadá.

Um dos desafios passa por fazer com que os norte-americanos conheçam o destino Portugal. “Nos Estados Unidos, ninguém conhece Portugal. É muito difícil encontrar alguém que já conheça Portugal”, disse David Neeleman.

Os norte-americanos são hoje o oitavo mercado emissor com maior peso no turismo português.

Outro dos obstáculos, que o norte-americano tem vindo a salientar com frequência nos últimos dias, é a capacidade do Aeroporto de Lisboa. “Estou muito preocupado com a questão do Aeroporto de Lisboa, que vos afeta a todos nesta sala”, disse, desta vez dirigindo-se aos hoteleiros presentes no congresso. “Somos uns idiotas. Há gente a querer vir para Portugal e não fazemos mais pelo turismo porque tudo termina com isto: não temos espaço no aeroporto”, sublinhou, voltando a apelar aos políticos que encontrem uma “resolução rápida“.

Neeleman adiantou ainda que, até agora, 30 mil turistas já ficaram em Portugal com o Stopover, programa através do qual os passageiros vindos do Brasil e dos Estados Unidos podem fazer escala em Portugal por um a três dias, sem pagar mais pelo voo para o destino final e com direito a descontos exclusivos nos hotéis aderentes. A 27 de setembro, eram 20 mil os que tinham parado por cá graças ao programa da TAP.

A jornalista viajou para Ponta Delgada a convite da Associação da Hotelaria de Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP quer triplicar voos para os EUA para 70 por semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião