Açores vão cobrar entrada em parques naturais

Os residentes no arquipélago estarão isentos do pagamento desta taxa. O Governo Regional quer, com esta medida, "qualificar, embelezar e manter" as áreas "de excelência".

O Governo Regional dos Açores prepara-se para passar a cobrar uma taxa aos turistas que queiram visitar parques naturais e zonas geridas pela Secretaria do Turismo. Além disso, algumas destas áreas vão ter limite de capacidade.

“O Governo pretende, durante esta legislatura, implementar, de forma gradual, nas infraestruturas de recreio e lazer que já tenham atingido níveis de qualidade e de disponibilização de equipamentos ou serviços que o justifiquem, o pagamento de acesso por parte de visitantes“, anunciou Vasco Cordeiro, presidente do Governo açoriano, no encerramento do debate parlamentar do Programa do Governo.

Deste pagamento estarão isentos os residentes nos Açores que já contribuem com o dinheiro dos seus impostos para os objetivos desta medida”, garantiu o governante.

"Não há razão nenhuma para não termos proveitos com a utilização das nossas áreas de excelência.”

Marta Guerreiro

Secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo

A notícia foi depois confirmada pela nova secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo dos Açores, Marta Guerreiro. “Há vários parques naturais e zonas dos Açores, que são geridas pela Secretaria Regional, que têm todas as condições para que a utilização das mesmas seja paga, reservando aos residentes a isenção dessas taxas”, disse, à margem da apresentação do novo projeto do grupo hoteleiro Azoris.

“Em qualquer destino que visitemos, estamos habituados a pagar para estar em sítios e parques onde a qualidade é bastante grande”, justificou. “Não há razão nenhuma para, nos Açores, não termos também proveitos com a utilização das nossas áreas de excelência, que podem, de facto, contribuir com uma receita para a região”.

Marta Guerreiro anunciou ainda o “estabelecimento de capacidades de carga para determinadas áreas“, o que será definido “em diálogo estreito e permanente com os setores interessados”.

Os objetivos da medida, anunciou ainda Vasco Cordeiro, são “a qualificação, o embelezamento e a manutenção desses espaços”. O Governo Regional dos Açores não anunciou ainda que espaços e parques naturais serão esses.

Dos planos do Governo açoriano não consta, para já, a introdução de taxas turísticas como as que existem em Lisboa, em que cada hóspede tem de pagar uma taxa de um euro pela dormida num estabelecimento turístico. “Não faz parte dos planos do Governo”, assegurou Marta Guerreiro.

A jornalista viajou para Ponta Delgada a convite da Associação da Hotelaria de Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Açores vão cobrar entrada em parques naturais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião