Jogos de fortuna ou azar chegam aos Açores. Casino pode abrir já este ano

No melhor dos cenários, o casino de São Miguel abre até ao final de novembro. Sala de máquinas na Terceira até ao final deste mês.

Tudo pronto para os jogos de fortuna ou azar arrancarem nos Açores. Na proposta preliminar do Orçamento do Estado para 2017, já está previsto o cálculo do imposto especial de jogo que será cobrado na região. Só falta mesmo abrir o casino, cuja inauguração se arrasta há meses.

A abertura de um casino em Ponta Delgada, nos Açores, está a ser anunciada desde que, em 2014, o Fundo Discovery comprou, por 11 milhões de euros, o Hotel Príncipe do Mónaco, agora chamado Hotel Azor. É nesse hotel que ficará o Casino de Ponta Delgada, mas a inauguração tem sido sucessivamente adiada. A inauguração chegou a ser dada como certa para dia 29 de maio, mas, nesse dia, o Hotel Azor abriu ao público sem o casino pronto.

Agora, a inauguração está mais próxima e o ECO sabe que, na melhor das hipóteses, o casino abre até ao final de novembro. A ilha Terceira também vai ter jogos de fortuna ou azar, no caso uma sala de máquinas, que, no melhor dos cenários, abre até ao final deste mês.

A data de abertura do casino ainda não está decidida, mas os impostos a que vai ser sujeito já estão. Na proposta preliminar de Orçamento do Estado, está previsto que os Açores paguem o mesmo imposto que a Madeira:

“Para efeitos do cálculo do imposto especial de jogo na Zona de Jogo dos Açores, aplica-se o disposto nos artigos 85.º, 86.º e 87.º, nos termos previstos para a Zona de Jogo do Funchal”, pode ler-se no documento.

A concessionária do Casino do Funchal paga impostos sobre 3% do lucro bruto das bancas simples e sobre 4,5% sobre o lucro bruto das bancas duplas. Nos jogos não bancados (máquinas de jogo) a percentagem é de 5% nos primeiros cinco anos da concessão, 6% no segundo quinquénio, 7,5% no terceiro quinquénio, 20% nos quarto e quinto quinquénios e 20% nos demais quinquénios.

(Notícia atualizada pela última vez às 16h04)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jogos de fortuna ou azar chegam aos Açores. Casino pode abrir já este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião