O videojogo feito para derrotar Trump

  • Juliana Nogueira Santos
  • 11 Outubro 2016

Aplicação deteta indecisos e incentiva apoiantes de Hillary a fazerem campanha de proximidade.

A cerca de um mês daquele que se avizinha um dos dias mais importantes para a história da humanidade, os apoiantes de Clinton — e todos aqueles que não querem Trump na Sala Oval — têm unido esforços para que o resultado da votação seja aquele que eles defendem. Desta vez, a MoveOn.org, uma organização sem fins lucrativos que atua no campo político, e a designer de videojogos Jane McGonigal, juntaram-se para criar o Swing Voter Go, um jogo que localiza os eleitores indecisos e os define como missões. Denotado pela escolha do nome, este vai buscar muita da sua inspiração ao Pokemón Go, a aplicação móvel que tomou o mundo de arrasto neste verão, comparando cada indeciso a um pokémon que tem de ser “apanhado” e incentivado, primeiro, a ir votar, depois a votar Hillary.

A ideia surgiu a partir do conceito de swing states — em português “estados baloiço”, ou seja, estados que não têm uma preferência partidária definida e que podem “balançar” com igual probabilidade entre democratas e republicanos — e de estados predeterminados: os apoiantes de Hillary que vivem em estados predeterminados são convidados a partilhar a sua lista de amigos do Facebook com a aplicação, que, através da informação de localização presente nos seus perfis, vai destacar aqueles que se encontram em swing states. É aí que começa a missão: o utilizador tem de contactar esses amigos por mensagem privada e “atirar-lhe SwingBalls”, ou como quem diz, apresentar-lhes argumentos, factos ou qualquer estratégia que sirva o cumprimento da missão.

O objetivo do jogo é mais do que apenas incentivar as pessoas a ir às urnas e escolher como presidente Hillary Clinton, dando também algum poder aos apoiantes que estão em estados predeterminados e que podem sentir que qualquer tipo de esforço na sua área de residência é inútil.

A escolha do formato videojogo sublinha o desejo de apelar a todos, visto que a maior parte das pessoas é adepta dos jogos para smartphones, tendo um impacto ainda mais forte nas gerações mais jovens, que tantas vezes são caracterizadas como alheadas da política. A conexão do jogo com a rede social Facebook também não é uma ferramenta inocente, na medida em que está provado que as pessoas confiam primariamente nestas para a construção de opiniões – ter um conhecido no chat a dizer que será bom ir votar e que seria ainda melhor se votasse Hillary é mais eficiente que qualquer publicidade.

Os “lures” são outra ferramenta importada do Pokémon Go: as guloseimas plantadas como iscos para pokémons passam aqui a publicações predefinidas pela organização que podem ser partilhadas pelos utilizadores, chamando os indecisos fora dos swing states. Embora já estejam feitas, essas publicações – bem como os contactos pessoais – têm de ser personalizadas, uma vez que têm de espelhar credibilidade.

não é a primeira vez que a MoveOn.org leva a cabo iniciativas que abranjam os eleitores dos estados predeterminados, sendo que este ano, com a candidatura de Trump e a iminência da sua vitória, esta viu-se obrigada a lançar algo que permitisse um nível mais forte de engagement. Embora seja expressa a preferência total por Hillary Clinton, pode ler-se na página que esta foi paga na íntegra pela organização, não tendo permissão ou patrocínio de nenhum candidato ou comité.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O videojogo feito para derrotar Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião