Fortuna de Donald Trump encolheu 700 milhões num só ano

  • Marta Santos Silva
  • 29 Setembro 2016

A estimativa é da revista Forbes, que vem contrariar as declarações frequentes do candidato à Casa Branca acerca do seu "enorme rendimento".

Donald Trump pode dizer que tem uma fortuna “acima dos dez mil milhões de dólares”, mas nem a Forbes nem a Bloomberg alguma vez concordaram com esse valor. E agora uma nova estimativa da Forbes mostra que a riqueza do multimilionário diminuiu em 712 milhões de dólares só desde 2015.

A Forbes acompanha a riqueza de Donald Trump, magnata do imobiliário e atual candidato republicano à Casa Branca, há mais de 30 anos, e a sua atualização mais recente do património líquido de Trump fixou-se nos 3,2 mil milhões de euros — uma queda de 712 milhões relativamente ao ano passado.

A revista refere que esta redução na fortuna de Trump se deva a um aumento da oferta e diminuição da procura no mercado imobiliário de Nova Iorque, que é um aspeto central no património do candidato. A icónica Torre Trump, em Manhattan, foi um dos edifícios cujo valor caiu no último ano.

O candidato republicano tem como um dos pontos centrais da sua campanha o facto de ser um empresário de sucesso com uma fortuna que supera os dez mil milhões de dólares (cerca de nove mil milhões de euros), mas revistas como a Forbes e a Fortune, assim como a Bloomberg, estimam todas que o património líquido do empresário estará mais próximo dos três mil milhões.

A disparidade entre os valores, relembra a BBC, dever-se-á ao valor que é atribuído à marca “Trump”, que o empresário estima estar próximo dos 2,9 mil milhões de euros, muito acima da avaliação feita pelas publicações especializadas. Trump já criticou várias vezes a imprensa “terrível” e “desonesta” por desvalorizar o seu património.

As declarações fiscais de Trump têm estado no centro da discussão pública agora que a corrida à Casa Branca entra nas suas últimas semanas. Donald Trump quebrou a tradição mantida ao longo de várias décadas pelos candidatos à presidência, que têm divulgado as suas declarações de impostos, levantando especulação de que o candidato terá algo a esconder.

No debate presidencial desta segunda-feira, onde Donald Trump se vangloriou dos seus “enormes rendimentos”, Hillary Clinton sugeriu que talvez Trump não fosse “tão rico como diz que é”. A divulgação das declarações permitiria conhecer os rendimentos de Trump, mas não daria uma visão clara do seu património nem das suas dívidas.

Trump afirma que está a ser sujeito a uma auditoria e que está disposto a revelar as declarações quando esta terminar, apesar de a autoridade tributária norte-americana já ter dito publicamente que não existe nenhum impedimento à divulgação de declarações fiscais durante esse processo.

Editado por Paulo Moutinho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fortuna de Donald Trump encolheu 700 milhões num só ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião