Hotelaria e indústria escapam ao novo imposto sobre património imobiliário

Associação Lisbonense de Proprietários está a ser recebida pela Comissão Europeia, a quem vai denunciar aquilo que considera ser um "ataque fiscal sem precedentes".

Os prédios destinados à atividade turística, bem como os prédios “industriais”, estão isentos do adicional ao imposto municipal sobre imóveis, que vai incidir sobre o valor patrimonial tributário global superior a 600 mil euros, de acordo com a proposta preliminar de Orçamento do Estado, a que o ECO teve acesso.

“O adicional ao imposto municipal sobre imóveis incide sobre a soma dos valores patrimoniais tributários dos prédios urbanos situados em território português de que o sujeito passivo seja titular”, pode ler-se na proposta preliminar.

Mas o documento ressalva duas exceções: “São excluídos do adicional ao imposto municipal sobre imóveis os prédios urbanos classificados na espécie ‘industriais’, bem como os prédios urbanos licenciados para a atividade turística, estes últimos desde que devidamente declarado e comprovado o seu destino”.

Ficam assim abrangidos pelo imposto os imóveis destinados ao arrendamento urbano e ao comércio.

Proprietários recusam pagar sustentabilidade da SS

A proposta preliminar confirma também que a receita do novo IMI vai ser consignada ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, notícia já avançada pelo ECO.

Em reação a esta medida, a Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) diz recusar “assegurar a sustentabilidade da Segurança Social”. A associação está, aliás, a ser recebida pela Comissão Europeia, a quem vai denunciar aquilo que considera ser um “ataque fiscal sem precedentes sobre o setor imobiliário”.

“A APL recusa a manobra política em curso inscrita no Orçamento do Estado de 2017, que transfere a responsabilidade do Estado para os proprietários de imóveis, que, para além de serem forçados a financiar os seus inquilinos, numa perpetuação inexplicável do congelamento das rendas, vão agora ser obrigados a garantir a sustentabilidade da Segurança Social e ainda o pagamento dos aumentos das pensões de Reforma”, critica a associação, em comunicado enviado às redações.

“A ALP está a ser recebida na Comissão Europeia, em Bruxelas, numa reunião marcada no âmbito da União Internacional dos Proprietários Urbanos (UIPI), para denunciar o ataque fiscal sem precedentes sobre o setor imobiliário e um travão injustificado à reforma estrutural do arrendamento. Nesta reunião, a ALP vai também denunciar a transferência da função social do Estado para os proprietários”, refere ainda o comunicado.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Hotelaria e indústria escapam ao novo imposto sobre património imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião