Carros? Há um travão na produção em Portugal

A produção de automóveis em território nacional continua a encolher. Está já mais de 10% abaixo do registado no ano passado, sendo que praticamente todos os veículos têm como destino a exportação.

A produção de automóveis em território nacional voltou a abrandar. Em novembro, os construtores produziram 13.441 novas viaturas, uma quebra que acentuou a redução da produção portuguesa no acumulado do ano. Há uma diminuição de mais de 10%. E as exportações também estão a encolher.

“Os números da produção de automóveis do mês do novembro revelam que o setor da construção automóvel está em desaceleração. Os construtores de automóveis produziram, no mês passado, 13.441 novas viaturas o que representa -2,7% em relação ao mesmo período do ano passado“, diz a ACAP.

Esta descida “evidencia a tendência de quebra nos ritmos de produção que tem sido registada ao longo de todo o ano de 2016”, nota a associação, acrescentando que em termos acumulados, de janeiro a novembro de 2016 foram produzidos em Portugal 134.347 novos veículos automóveis, ou seja, uma quebra de -10,5%”.

Tudo para o exterior

Em termos de exportação de veículos automóveis produzidos em Portugal, “os dados acumulados indicam igualmente um decréscimo do total de viaturas vendidas ao exterior face ao ano anterior: em novembro de 2015 já tinham sido exportadas 144.089 viaturas e em novembro de 2016 esse valor caiu para 127.879, o que representa um recuo na ordem dos -11,2%”, diz a ACAP.

“Recorde-se o papel fundamental e o contributo expressivo das exportações automóveis para a economia nacional, ocupando o primeiro lugar do ranking das exportações nacionais desde há vários anos e representando um volume de negócios superior a 18 mil milhões de euros”, nota a associação.

A ACAP nota que a “Europa continua a ser o mercado que mais recebe veículos automóveis produzidos em Portugal, totalizando 90,8% das exportações. Alemanha (23,3%), Espanha (15,5%) e Reino Unido (11,7%) são os três países europeus que mais contribuem para a balança das exportações automóveis. Fora da Europa, a Ásia é a região onde se verifica o valor mais expressivo (6,7%) sendo que a China continua a ser o país que mais importa carros fabricados em Portugal (5,3%)”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carros? Há um travão na produção em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião