Maioria das escolas com média negativa nos exames do 9º ano

  • Lusa
  • 17 Dezembro 2016

A maioria das escolas portuguesas teve média negativa nos exames de Português e Matemática do 9º ano. Escolas públicas só começam a aparecer a meio das listas.

A maioria das escolas teve média negativa nos exames de Português do 9.º ano e apenas 20% conseguiu positiva a Matemática, segundo dados do Ministério da Educação que revelam uma ligeira descida das notas. Os resultados globais dos exames de Matemática e de Português realizados no ano passado pelos alunos do 9.º ano revelam que, em média, as notas baixaram um pouco quando comparadas com o ano anterior, segundo uma análise feita pela Agência Lusa com base nos dados disponibilizados no site do Ministério da Educação, InfoEscolas.

Entre as 1.230 escolas que levaram alunos a exame, apenas 306 registaram média geral positiva nas duas provas, ou seja, três em cada quatro escolas tiveram “negativa” (75%), enquanto no ano anterior as negativas atingiram 70% dos estabelecimentos escolares. Novamente este ano, os alunos das escolas privadas conseguiram melhores resultados médios nos exames quando comparados com os das escolas públicas, voltando a colocar os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo nos primeiros lugares dos rankings feitos pela Lusa.

Nas 1007 escolas públicas, 84% dos estabelecimentos tiveram média negativa, enquanto a maioria das 223 escolas privadas conseguiu ter positiva (64%). Nos primeiros 42 lugares da tabela da Lusa surgem apenas escolas privadas, que são encimadas pelo Externato As Descobertas (média 4,5), em Lisboa, seguindo-se o Colégio Horizonte (4,36), no Porto, e o Colégio Novo da Maia (4,30).

Matemática: Escolas públicas, só a partir do 43º lugar

A primeira pública surge em 43.º lugar e é a Escola Secundária D. Manuel I, em Beja, com média de 3,75, seguindo-se a Escola Secundária Infanta D. Maria, em Coimbra, que fica em 47.º lugar da tabela geral com uma média de 3,72. A Escola Artística do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga, com média de 3,7 que ficou em 53.º lugar.

Olhando para as disciplinas, as médias a Português pioraram ligeiramente em relação ao ano anterior, com apenas 43,25% das escolas a obter média positiva. A média dos alunos das escolas públicas foi pior do que o das privadas, já que apenas 35% das escolas obteve positiva contra 77% das escolas privadas.

Português: Ensino privado ocupa os 24 primeiros lugares

Na lista das escolas com melhores resultados nos exames a Português, os primeiros 24 lugares são ocupados por privados, com destaque para o Externato As Descobertas, em Lisboa, que consegue a melhor média (4,57 valores), seguindo-se o Colégio Oriente (4,46), também em Lisboa, e o portuense Colégio Novo da Maia (4,3 valores).

Em 25.º lugar aparece a primeira pública: Escola Artística do Conservatório de Música do Porto (média de 3,84), seguindo-se a Escola Artística do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga (3,78), e a Escola Secundária D. Manuel I, em Beja (3,7 valores). A Matemática as médias mantiveram-se, com apenas 19,4% das escolas a ter positiva: nas escolas públicas, apenas uma em cada dez escolas (10,5%) obteve positiva, enquanto nas privadas mais de metade teve positiva (59,6%).

Os primeiros 17 lugares da lista elaborada pela Lusa, tendo por base a média dos exames a Matemática dos alunos internos, são todos ocupados por escolas privadas: Externato Escravas Sagrado Coração de Jesus e Colégio Horizonte, ambos no Porto, seguindo-se o Externato As Descobertas, em Lisboa.

A Escola Secundária Infanta Dona Maria, em Coimbra, é a pública com a melhor média a Matemática e surge em 18.º lugar do ranking elaborado pela Lusa, seguindo-se a Escola Secundária D. Manuel I, em Beja, e a Escola Básica de Pereira, em Montemor-o-Velho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria das escolas com média negativa nos exames do 9º ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião