Oferta da Lone Star pelo Novo Banco caduca a 4 de janeiro

  • Rita Atalaia
  • 16 Dezembro 2016

A Lone Star, um dos interessados no Novo Banco, vai cancelar a sua oferta pelo banco a 4 de janeiro. A notícia é avançada numa altura em que a decisão final sobre a venda pode ser adiada para janeiro.

O fundo norte-americano Lone Star, um dos interessados no Novo Banco, pode cancelar a sua oferta pelo banco se a decisão não for tomada até 4 de janeiro. O fundo oferece 750 milhões de euros pelo banco que resultou da falência do Banco Espírito Santo, e contempla a possibilidade de injetar outros 750 milhões de euros na instituição financeira.

O Jornal de Negócios avança que esta decisão já foi comunicada a Sérgio Monteiro, que está a liderar o processo de venda do Novo Banco. O jornal diz que o Lone Star enviou-lhe um email, com data de 14 de dezembro, dizendo que a validade da proposta de compra caduca a 4 de janeiro.

Este email é uma forma de o fundo norte-americano demonstrar a sua insatisfação pelo adiamento da decisão final sobre o comprador do Novo Banco. Esta derrapagem foi provocada pela falta de garantias do principal candidato à compra — o Minsheng.

Os chineses assinaram um memorando de entendimento que prevê um aumento de capital a dois tempos, primeiro de 600 milhões de euros e, depois, de 150 milhões. E, a prazo, a possibilidade de comprar uma parte da participação do Fundo de Resolução, com um teto de investimento de 150 milhões de euros.

O problema é que, depois de assinarem o acordo com o Banco de Portugal e a equipa liderada por Sérgio Monteiro, tinham uma semana para apresentarem a prova de fundos e não o fizeram.

“Mais importante é Novo Banco ter bom acionista”

Mas este adiamento não incomoda o presidente da Associação Portuguesa de Bancos. Faria de Oliveira desvaloriza esta derrapagem no calendário, dizendo que o mais importante é conseguir bons acionistas.

Penso que seria de toda a conveniência tentar cumprir o que estava previsto, que era finalizar a negociação ate ao fim do ano. Mas vamos ter de aguardar”, diz Faria de Oliveira em declarações aos jornalistas. O presidente da Associação Portuguesa de Bancos diz que o “que é importante é que o processo de venda corra de maneira a obter o melhor resultado possível e um bom acionista, ou bons acionistas, para o Novo Banco”.

"Penso que seria de toda a conveniência tentar cumprir o que estava previsto, que era finalizar a negociação ate ao fim do ano. Mas vamos ter de aguardar”

Faria de Oliveira

Presidente da Associação Portuguesa de Bancos

Faria de Oliveira aplaudiu entretanto a escolha para a liderança do banco público. Paulo Macedo “cumpre todos os requisitos necessários para o exercício da função de presidente Executivo da CGD”, diz o presidente da Associação Portuguesa de Bancos.

O presidente da APB foi um dos que criticou o arrastar da polémica na Caixa. Numa entrevista ao jornal Público, no dia 17 de novembro, veio dizer que todo o ruído que estava a ser gerado em torno da entrega ou não das declarações de rendimentos da equipa de gestão da CGD é “extremamente negativo”, não só para o banco público como o setor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oferta da Lone Star pelo Novo Banco caduca a 4 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião