Quanto paga(va) o Minsheng pelo Novo Banco?

O China Minsheng, o favorito ao Novo Banco, não fez ainda prova dos fundos para uma operação que vale 750 milhões de euros. Venda poderá derrapar para janeiro.

O principal candidato à compra do Novo Banco, o China Minsheng Financial, ainda não fez prova dos fundos necessários para a realização da oferta que fez pelo Novo Banco. Mas, o que está, afinal, em causa? Um investimento de 750 milhões de euros, através de um aumento de capital, para controlar 55% do banco hoje liderado por António Ramalho.

O Minsheng foi um dos três candidatos que chegou à short-list final para a compra do Novo Banco, e até chegou mais tarde do que outros, o que motivou reações negativas dos concorrentes. Os outros dois são o fundo Lone Star e o Apollo, que já tem em Portugal investimentos nas áreas da saúde e dos seguros. Os chineses, aliás, não se apresentaram para o mesmo concurso. Existem na verdade dois concursos paralelos: o primeiro, no qual estão os outros dois candidatos, passa pela compra da totalidade do capital do Novo Banco ao Fundo de Resolução. O outro, no qual entrou o Minsheng, não implica a compra de ações, mas um aumento de capital.

Do que se sabe, oficiosamente, é que a oferta mais relevante é (ou era) mesmo a do China Minsheng. Os chineses, com operação em Hong-Kong, assinaram um memorando de entendimento que prevê um aumento de capital a dois tempos, primeiro de 600 milhões de euros e, depois, de 150 milhões. E, a prazo, a possibilidade de comprar uma parte da participação do Fundo de Resolução, com um teto de investimento de 150 milhões de euros.

O problema é que, depois de assinarem o acordo com o Banco de Portugal e a equipa liderada por Sérgio Monteiro, tinham uma semana para apresentarem a prova de fundos e não o fizeram. Mais, de acordo com informações reveladas ao ECO, o China Minsheng terá mesmo entregado uma carta em que o board do fundo, em Hong Kong, assumia formalmente que não faria a operação nos termos anteriormente acordados.

As negociações continuam a decorrer, mas o problema não é apenas burocrático. O China Minsheng terá apenas 150 milhões de euros em caixa e é com base nesta disponibilidade de fundos que está em condições de fazer o negócio. Na verdade, um novo acordo.

O prazo de venda do Novo Banco foi sempre indicativo, para salvaguardar a posição negocial do Estado, e tem sido sucessivamente adiado desde agosto. Mas há um calendário conhecido, e que foi aliás anunciado pelo próprio ministro das Finanças, Mário Centeno: Agosto de 2017, sob pena de estar em causa a liquidação do banco por imposição da Autoridade de Resolução Europeia.

O Novo Banco, recorde-se, é um banco de transição, que resultou da resolução do BES e, à data da sua criação, recebeu 4,9 mil milhões de euros de capital do Fundo de Resolução que, por sua vez, pediu 3,9 mil milhões emprestados ao Estado para o fazer.

O ECO sabe que no final da semana passada, depois de discussões difíceis, o China Minsheng ganhou mais uma semana para apresentar as referidas provas, leia-se a declaração legal de que tem a capacidade financeira para realizar o aumento de capital. E esse novo prazo, indicativo, termina hoje, sexta-feira.

A possibilidade de a venda do Novo Banco deslizar para janeiro começa a ganhar força. O China Minsheng estará, neste momento, a tentar encontrar outros financiamentos internacionais, incluindo na China, para garantir os fundos necessários, mas quem conhece o grupo e a operação refere ao ECO que essa solução será de difícil concretização.

Oficialmente, ninguém fala, mas oficiosamente várias fontes continuam a garantir que o negócio não está em risco, apesar deste contratempo inesperado. Lembram que o prazo para a entrega de referida prova de fundos não acabou, pode passar para o início de janeiro e que há mais candidatos.

Neste quadro, o Banco de Portugal e Sérgio Monteiro têm de voltar-se para o Lone Star e para o Apollo, mas a partir de uma posição mais difícil, porque os dois candidatos sabem que as opções de venda estão agora mais limitadas.

O fundo Lone Star terá apresentado uma proposta de 350 milhões de euros pelo Novo Banco a pagar ao Fundo de Resolução, e a disponibilidade para realizar um aumento de capital a avaliar em função das necessidades identificadas em acordo com o Banco de Portugal. Mas há um ‘mas’: o Lone Star tem um interesse particular, o chamado ‘side bank’, que tem o imobiliário e outros ativos não-core do Novo Banco, avaliado em cerca de oito mil milhões de euros. Só que exige uma garantia de Estado, uma condição considerada inaceitável do ponto de vista económico, financeiro e até político, por isso, torna a proposta inviável.

De acordo com outras fontes, não oficiais, o Apollo, em parceria com a Centerbridge, estava claramente atrás nesta short-list de candidatos, mas terá feito um esforço na 25ª hora e, na proposta, apesar de ter uma oferta financeira inferior à do Lone Star, admitirá manter o Fundo de Resolução como acionista do Novo Banco.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto paga(va) o Minsheng pelo Novo Banco?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião