Novo Banco: Minsheng tenta despachar malparado

O banco chinês interessado na compra da instituição liderada por António Ramalho está a tentar criar um veículo para colocar cinco mil milhões em ativos tóxico.

O Minsheng Bank, a instituição chinesa que apresentou uma proposta de compra da maioria do capital do Novo Banco, está a tentar obter autorização por parte do regulador chinês para criar um veículo que lhe permita ver-se livre de ativos tóxicos. Pretende retirar do balanço cinco mil milhões em malparado.

As discussões a decorrer com o regulador prendem-se, segundo fontes próximas do processo citadas pela Bloomberg, com a forma que este veículo poderá apresentar, nomeadamente no que respeita à estrutura de controlo. A meta será passar para este bad bank 5,7 mil milhões de dólares (5,08 mil milhões de euros) em ativos, numa altura em que o malparado está a pesar no setor financeiro chinês.

Estes veículos não existem na China pelo que o Minsheng Bank poderá ser o primeiro banco a operar um bad bank. Zheng Wanchun, o presidente do China Minsheng Bank já liderou o Great Wall Asset Management, um dos quadro veículos criados em 1999 pelo governo chinês. O rácio de malparado do banco ascendeu a 1,7% e junho, o nível mais elevado desde 2007.

O China Minsheng Bank está, ao mesmo tempo, interessado em expandir as suas operações a nível internacional, nomeadamente para Portugal. Apresentou ao Banco de Portugal uma proposta de compra da maioria do capital do Novo Banco através de um aumento de capital. Está disponível para realizar um reforço de capital superior a 500 milhões de euros

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: Minsheng tenta despachar malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião