UE já pagou 20% dos fundos comunitários previstos até 2020

A Europa já gastou cerca de 20% das verbas que tem destinadas para os Estados membros até 2020. Portugal é o segundo país, a seguir à Polónia que mais dinheiro recebeu até agora.

A Comissão Europeia (CE) fez pela primeira vez um relatório de acompanhamento sobre os cinco fundos estruturais e de investimento europeus — FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP — e as notícias são positivas: em comunicado, a CE diz que houve uma “forte aceleração” dos investimentos nos últimos meses, “com a expectativa da implementação atingir a velocidade de cruzeiro em 2017”.

Os Estados-membros já receberam 130 mil milhões de euros (cerca de 20% do total previsto) dentro da estratégia prevista no Plano Juncker, até ao outono deste ano. Segundo a Comissão Europeia, o número duplicou em nove meses. E Portugal está muito bem posicionado, ocupando o segundo lugar no ‘ranking’ dos países da UE com mais fundos transferidos.

Portugal é o segundo país com mais pagamentos da UE

pagamentosue
Fonte: Portugal 2020

“Estes dados revelam as dificuldades de arranque”, sublinhou o secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Nelson Souza, a semana passada num seminário sobre financiamento das empresas. “A legislação comunitária leva a uma generalização da forte dificuldade de arranque nos vários países”, disse, sendo que “Portugal é o segundo pais que recebeu mais dinheiro”. Nelson Souza especificou ainda que estes dados são reembolsos recebidos contra a apresentação de faturas, sem ter em conta as transferências iniciais. “Portugal está à frente de países que têm o dobro da dotação como é o caso de Itália cujo pacote global é de 43 mi milhões de euros”. Os dados revelam ainda as fortes dificuldades dos países de Leste em arrancar com os fundos, dada a complexidade do processo.

Os fundos estruturais foram aplicados principalmente em pequenos negócios (PME), desenvolvimento, banda larga, eficiência energética e milhares de outros projetos “focados nas prioridades de crescimento da União Europeia e na estratégia de criação de emprego”.

O anúncio foi feito pelo vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, que é o responsável pelo emprego, crescimento, investimento e competitividade. “Em muitos Estados-membros, as verbas do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (ESI, na sigla inglesa) são uma fonte vital do investimento público“, afirmou Katainen, referindo que só assim vão ser alcançados os objetivos de longo prazo e gerais da União Europeia como um todo.

Para além deste relatório, a Comissão Europeia lançou uma versão mais atualizada da plataforma Cohesion Open Data onde é possível ver novas secções de acompanhamento da execução dos fundos estruturais para medir a realização dos objetivos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE já pagou 20% dos fundos comunitários previstos até 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião