Municípios querem correção de falhas do Portugal 2020

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2016

Saúde e cultura são as duas áreas identificadas pela Associação Nacional e Municípios que merecem uma atenção especial no âmbito da reprogramação do Portugal 2020.

O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) defendeu hoje em Coimbra uma preparação cuidada da reprogramação do Portugal 2020, considerando como áreas mais prementes a saúde e a cultura.

A reprogramação do Portugal 2020 “deve ser preparada cuidadosamente, de forma a corrigirem-se desconformidades”, nomeadamente propostas e orientações que “não estão a ser bem conseguidas na área da cultura e, em alguns aspetos, na área da saúde”, disse à agência Lusa o presidente da ANMP, Manuel Machado, no final da reunião do conselho geral da associação.

Nessas duas áreas, sublinhou, os mapeamentos feitos no âmbito do quadro de apoio comunitário “não estão bem conseguidos”, sendo que “o que foi mapeado não está a ser realizado” e não está “a arrancar para o terreno”, constatou.

“Uma das componentes importantes é a falta de dinheiro para a contrapartida nacional de cada uma das operações”, notou, considerando que agora na fase de reprogramação do Portugal 2020 estes “aspetos menos positivos têm de ser corrigidos”.

Na área da cultura, as intervenções previstas são, regra geral, em monumentos nacionais, “mas depois o Orçamento do Estado não acompanha a dotação necessária para a contrapartida nacional e as coisas ficam paradas”, sublinhou Manuel Machado.

Os municípios, segundo as regras comunitárias, “não poderiam intervir” em monumentos nacionais, sendo que “há detalhes técnicos e processuais a resolver para que as coisas se façam, incluindo com as direções regionais da cultura”, de modo a que as intervenções “entrem no terreno”, frisou.

No âmbito da reprogramação, os municípios defendem ainda um reforço das verbas dos pactos, em especial na área da saúde, educação, equipamentos sociais e cultura, um reforço na reabilitação urbana e uma reformulação dos mecanismos de diferenciação dos territórios de baixa densidade.

No conselho geral da ANMP, foi ainda abordada a descentralização e a necessidade de “se preparar atempadamente e com o rigor técnico necessário o que vai acontecer nos próximos meses”.

“A matriz geral que foi convencionada no conselho geral é a de que a descentralização tem de ter presente a mochila, não só financeira, mas também de recursos humanos”, explicou Manuel Machado.

Para a associação, “se há novas responsabilidades atribuídas às autarquias, é importante que se criem condições” para que os municípios se capacitem “com recursos humanos preparados para desempenharem as novas missões”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Municípios querem correção de falhas do Portugal 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião