Monte dei Paschi afunda rumo ao resgate

  • Rita Atalaia
  • 21 Dezembro 2016

O banco alertou que pode ficar sem liquidez. As ações afundaram para mínimo histórico, o que o coloca cada vez mais próximo de um resgate. Mas poderá não ser o único.

Os investidores não estão a aderir ao aumento de capital do Monte dei Paschi. A juntar a isso, os receios de que o problemático banco italiano pode ficar sem liquidez estão a arrastar as ações para mínimos desde 1999. O mercado está consciente de que se o banco tiver de ser resgatado, isto pode desencadear uma onda de recapitalizações entre as instituições bancárias italianas.

As ações do problemático banco italiano afundam mais de 18% para 15,17 euros, o valor mais baixo desde que começaram a negociar, em 1999. A queda acentuada provocou a suspensão automática da negociação, que foi entretanto retomada. Este ano, os títulos já perderam 87%, o que reduziu a capitalização de mercado do banco em cerca de 454 milhões de euros.

Ações do Monte dei Paschi estão a afundar mais de 18%

Fonte: Bloomberg
Fonte: Bloomberg

Na base desta queda parecem estar os receios de que o banco vai ficar em breve sem liquidez. O banco veio afirmar que em vez dos 11 meses, só tem dinheiro para manter o banco a funcionar durante os próximos quatro. Precisa de ajuda rapidamente, mas os investidores não estão a dar o apoio necessário. Não estão a aderir ao aumento de capital de cinco mil milhões de euros.

O fundo soberano do Qatar, que considerou investir no Monte dei Paschi, ainda não se comprometeu a comprar ações, enquanto a troca de obrigações por ações permitiu angariar apenas cerca de 500 milhões de euros até esta terça-feira, um dia antes de expirar, de acordo com fontes próximas do assunto.

Outras instituições que também estavam ponderar comprar títulos indicaram que apenas investiriam no banco problemático se a instituição fosse capaz de angariar dois mil milhões de euros com a operação de troca de dívida em ações e mil milhões a partir de investidores de relevo. O que não está a acontecer.

“Até agora, as notícias sobre os esforços do Monte dei Paschi para encontrar capital privado são bastante desencorajadoras. É quase como se uma intervenção do Governo estivesse cada vez mais próxima, dia após dia”, diz o estratega do Swedbank Par Magnusson. Uma intervenção do governo “vai castigar quem detém obrigações júnior e ações e só isso é uma grande preocupação”, explica.

Impacto noutros bancos

Se o Monte dei Paschi não for capaz de angariar capital, isso pode provocar uma onda de recapitalizações dos bancos italianos em dificuldades. O Governo de Itália já disse que vai pedir ao Parlamento autorização para injetar até 20 mil milhões de euros para “garantir a liquidez adequada” dos bancos. Estes fundos ficarão disponíveis caso o Monte dei Paschi não consiga cumprir o prazo de recapitalização imposto pelo Banco Central Europeu. A data limite termina a 31 de dezembro, já que o banco central se recusou a prolongar o prazo até janeiro.

Mas o dinheiro também deverá ajudar outros bancos, incluindo o Banca Popolare di Vicenza SpA e Veneto Banca SCpA, permitindo que criem as provisões necessárias para se libertarem do crédito malparado, nota o analista do Banca Akros Luigi Tramontana à S&P Global Market Intelligence.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Monte dei Paschi afunda rumo ao resgate

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião