Lisboa sem energia… e sem liquidez

O principal índice nacional está a avançar aos poucos, depois de abrir no vermelho. É uma sessão marcada pelo fraco número de transações, a dois dias do natal.

A bolsa de Lisboa abriu em queda, acompanhando a tendência das restantes praças europeias e num dia que será de reduzida liquidez. A energia volta a pesar no índice português.

Às 8h00, o PSI-20 desvalorizava 0,09%, pressionado, principalmente, pela Galp Energia que caía 0,14%, a EDP, que estava a perder 0,24%, a EDP Renováveis a derrapar 0,41% e a REN a desvalorizar 0,26%. Entretanto, as quedas aliviaram.

A impedir um saldo mais negativo estavam os CTT, com ganhos de 0,62% em relação à sessão anterior e com os títulos da empresa a valerem 6,37 euros.

Além disso, um dia depois de a agência de notação financeira Fitch ter atribuído uma classificação negativa à banca portuguesa, as ações do BCP caem 0,11% para 1,08 euros, enquanto o BPI valorizava 0,27% para 1,13 euros. Isto apesar da tensão vivida no setor financeiro na Europa, com o epicentro em Itália.

O Monte dei Paschi, o terceiro maior banco italiano, não foi capaz de atrair investidores no reforço de capital e anunciou que vai pedir ajuda ao Governo. Às 8h23, os acionistas do banco ainda não tinham negociado quaisquer títulos. Enquanto isso, a bolsa italiana vai derrapando 0,7%.

Ainda na banca, na Alemanha, o Deutsche Bank aceitou pagar 7,2 mil milhões de dólares para pôr um ponto final no processo judicial sobre a venda de ativos tóxicos que acabou por desencadear a crise imobiliária de 2007 nos Estados Unidos. É, no entanto, um valor inferior ao reclamado pelo Departamento de Justiça e, às 8h30, os títulos do banco valorizavam 3,89% na bolsa alemã, que segue no verde com ganhos e 0,11%

O sentimento parece estar a propagar-se pela Europa. Depois de uma abertura no vermelho, os índices seguem agora a valorizar entre 0,1% e 0,3%

Atualizado às 8h31.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa sem energia… e sem liquidez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião