Revista de imprensa internacional

  • Ana Luísa Alves
  • 23 Dezembro 2016

O Deutsche Bank fechou o caso dos créditos de alto risco nos EUA, Trump está a preocupar a China e os ataques cibernéticos em França são três dos temas em destaque nesta sexta-feira.

A banca continua a centrar atenções. Numa altura em que se aguarda pelo resgate do Monte dei Paschi em Itália, o Deutsche Bank destaca-se por colocar um ponto final na disputa com as autoridades norte-americanas. Ainda na Europa, França está a ser alvo de ataques cibernéticos, os mesmos que atingiram as presidenciais nos EUA que levaram Trump à Casa Branca. Trump está a preocupar a China por causa do nome escolhido para as políticas comerciais e industriais.

Reuters

Deutsche Bank fecha caso nos EUA

O Deutsche Bank chegou a acordo com o Departamento de Justiça norte-americano e vai pagar 7,2 mil milhões de dólares (6,9 mil milhões de euros) para encerrar o caso que o liga ao escândalo da venda de créditos imobiliários de baixa qualidade, que conduziu à crise do subprime, em 2008. O banco alemão paga uma multa de 3,1 mil milhões de dólares (2,9 mil milhões de euros) sobre o seu papel na crise do ‘subprime’ e outros 4,1 mil milhões de dólares (3,9 mil milhões de euros) como forma de “alívio aos consumidores”, incluindo por exemplo a revisão das condições dos empréstimos já acordados. (Artigo em inglês)

Financial Times

China preocupada com escolha de Trump

A China tem “razões fortes para estar preocupada” depois de o Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, ter escolhido Peter Navarro, um crítico de Pequim, para presidir à nova agência da Casa Branca encarregada de supervisionar as políticas comerciais e industriais. O empresário, que nunca ocupou um cargo político, prometeu durante a campanha eleitoral recuperar postos de trabalho no setor manufatureiro e criticou o que considera ser concorrência desleal por parte da China. (Artigo em inglês. Acesso pago)

The Guardian

Bitcoin: Valor em circulação atinge recorde

A bitcoin está a atrair cada vez mais investidores. De tal forma que o valor em circulação desta moeda virtual mais do que duplicou este ano, alcançando os 14 mil milhões de dólares. Um forte aumento explicado, em grande parte, pela valorização da divisa. A cotação da bitcoin alcançou um máximo desde janeiro de 2014 nos 875 dólares, um desempenho que os especialistas atribuem à queda do yuan, a moeda chinesa que já desvalorizou mais de 7% em 2016. (Artigo em inglês)

Bloomberg

França enfrenta ciberataques

A França tem enfrentado uma série de ataques cibernéticos do mesmo grupo que atacou durante as presidenciais norte-americanas o Comité Nacional Democrático dos EUA. Agora este grupo de hackers está ativo na França, disse o regulador da segurança cibernética, isto quando o país está a rumar às presidenciais. (Artigo em inglês)

El Economista

Petróleo afunda défice da Arábia Saudita

A Arábia Saudita viu a sua dívida disparar 123% este ano, e 619% desde 2014 devido aos baixos preços do petróleo que se fizeram sentir. A dívida Saudita está nos 80.676 milhões de euros em 2016, o que equivale a 12,3% do PIB do país. Por outro lado, os gastos deste ano ascenderam a 210.293 milhões de euros, 15,6% menos que em 2015. (Artigo em espanhol)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião