Costa: “Fechamos este ano com chave de ouro”

  • Margarida Peixoto
  • 22 Dezembro 2016

No jantar de Natal do grupo parlamentar do PS, o primeiro-ministro louvou o acordo conseguido por Vieira da Silva para o aumento do salário mínimo nacional. Apesar da redução da TSU para as empresas.

António Costa reconheceu que Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, já o tinha mandado “calar hoje três vezes” e prometeu aos jornalistas que não iria “dar notícias”. No jantar de Natal do grupo parlamentar do PS, é verdade que o primeiro-ministro não deu novidades, mas não resistiu a comentá-las: “Fechamos este ano com chave de ouro e com o acordo que Vieira da Silva conseguiu na concertação social.”

“Temos enormes desafios, mas isso o que exige é a mesma determinação e cada vez mais capacidade de vencer os desafios colocados”, frisou António Costa. “E a melhor prova é que os impossíveis vão sempre existir”, mas “é sempre possível ir transformado [esses impossíveis] em possibilidades”, garantiu, o primeiro-ministro.

Minutos antes da intervenção de Costa, também já Carlos César, líder da bancada parlamentar socialista, tinha louvado o acordo obtido entre os parceiros sociais. “O nosso Governo reserva-nos sempre uma surpresa. A surpresa foi a demonstração que nos sentimos bem com a sociedade portuguesa. Isso mesmo foi evidenciado no sucesso que hoje se obteve no acordo de concertação social.”

Apesar da visível satisfação do Governo, o acordo foi conseguido com uma melhoria das condições para as empresas, face ao que constava da proposta inicial do Executivo. Para concordarem com o aumento do salário mínimo nacional para 557 euros por mês, a partir de janeiro, as empresas exigiram um desconto de 1,25 pontos percentuais na taxa social única que pagam pelos trabalhadores que auferem a retribuição mínima garantida. A proposta inicial do Executivo previa um desconto de apenas 1 ponto percentual, um valor que, mesmo assim, já implica uma melhoria das condições atuais, que preveem um desconto de 0,75 pontos.

A descida da TSU foi, aliás, um dos pontos que provocou maiores críticas da parte do BE, PCP e Os Verdes no debate quinzenal, que decorreu esta quinta-feira à tarde, na Assembleia da República. Heloísa Apolónia, líder dos Verdes, chegou mesmo a acusar o Governo de quebrar o acordo de posição conjunta que tinha assinado com o partido.

“Com que justificação é que os contribuintes vão financiar as empresas”, perguntou Catarina Martins, coordenadora do BE. “Significa pôr o Estado, e não as empresas, a pagar parte do aumento”, acrescentou Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP.

“O acordo de concertação social não é lei. Para que a redução seja feita é preciso que o Governo tome uma iniciativa legislativa. Os Verdes confrontarão o Governo nessa altura”, reagiu Heloísa Apolónia, depois de conhecido o acordo fechado entre os parceiros sociais, em declarações ao Observador.

Costa: “A oposição tem muita dificuldade em falar do presente”

Ainda durante o jantar de Natal do grupo parlamentar do PS, António Costa aproveitou para reafirmar a confiança nos bons resultados orçamentais e subir as expectativas para amanhã. “Tivemos a melhor execução orçamental, tendo feito tudo aquilo a que nos comprometemos. Até cumprimos a redução da taxa do IVA da restauração, a redução das 35 horas, cumprimos tudo e tivemos a melhor execução orçamental dos últimos 42 anos”, frisou Costa.

Amanhã, o Instituto Nacional de Estatística vai revelar o valor do défice em contabilidade nacional, o que importa para as metas definidas pela Comissão Europeia, para o terceiro trimestre deste ano. Também serão divulgados, pela Direção-geral do Orçamento, os dados de execução orçamental entre janeiro e novembro. A meta de Bruxelas é um défice de 2,5% e a do Governo é de 2,4%. A expectativa para estes números é, assim, otimista.

“É por isso que a oposição tem muita dificuldade em falar do presente”, atirou ainda António Costa, lembrando o episódio desta tarde, do retrovisor que teria oferecido como presente a Assunção Cristas, tivesse a líder do CDS dado oportunidade. Mas também deixou uma nota aos deputados: “Lembro-me bem de há um ano, as caras eram menos sorridentes e havia muitas dúvidas”, recordou, referindo-se à inquietação que a solução atual de Governo, apoiada pelos bloquistas, comunistas e Os Verdes no Parlamento, provocou entre socialistas.

Já para o Governo — alguns dos seus colegas de equipa estavam presentes no jantar — lembrou apenas a importância da coesão. “O Governo foi capaz de agir em conjunto. Se isso não tivesse acontecido, não teria sido possível cumprir os desafios”, disse.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Costa: “Fechamos este ano com chave de ouro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião