Despacho elimina retenção na fonte da sobretaxa nos dois primeiros escalões

  • ECO
  • 29 Dezembro 2016

Em causa estão remunerações brutas até 1.705 ou 2.925 euros, indica despacho assinado por Mário Centeno.

As empresas vão deixar de fazer retenção na fonte da sobretaxa de IRS aos dois primeiros escalões de rendimento em janeiro, indica um despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República. Em causa estão remunerações brutas até 1.705 euros, no caso de contribuintes solteiros ou casados que entreguem declaração separadamente, ou até 2.925 euros, no caso de casados com tributação conjunta.

O despacho assinado pelo ministro das Finanças determina que “a partir de 1 de janeiro de 2017, não se proceda à retenção na fonte da sobretaxa de IRS aos 1º e 2º escalões“, designadamente, às remunerações mensais brutas até 1.705 euros, “no caso dos sujeitos passivos não casados e sujeitos passivos casados, dois titulares”, e até 2.925 euros, “no caso dos sujeitos passivos casados, único titular”.

A medida já tinha sido garantida pelo Executivo. “Podendo a entrada em vigor da Lei de Orçamento do Estado para 2017 determinar alterações ao enquadramento jurídico atual relativamente aos 3º, 4º e 5º escalões, não existe qualquer diploma legal em vigor, nem qualquer diploma em processo legislativo, que determine a aplicação de sobretaxa de IRS aos 1º e 2º escalões de rendimento coletável”, diz o despacho.

A proposta inicial do Orçamento do Estado previa que os contribuintes do segundo escalão ainda pagassem sobretaxa durante os primeiros três meses do ano mas as negociações com os partidos que apoiam o Governo acabaram por retirar este encargo logo em janeiro.

O terceiro escalão paga sobretaxa até junho (0,88% em termos anualizados) e os escalões seguintes até novembro (2,75% e 3,21%, respetivamente).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Despacho elimina retenção na fonte da sobretaxa nos dois primeiros escalões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião