Sobretaxa para o segundo escalão acaba em janeiro

  • ECO
  • 18 Novembro 2016

O Governo vai antecipar o fim da sobretaxa para o segundo escalão de IRS, que abrange rendimentos até 20 mil euros. Em vez de março, mais de um milhão de contribuintes deixam de pagar já em janeiro.

O Governo vai acabar mais rapidamente com a sobretaxa de IRS para quem está no segundo escalão de rendimentos. De acordo com a TVI, estes contribuintes deixam de pagar a sobretaxa já em janeiro, e não em março, como se previa inicialmente.

O segundo escalão abrange contribuintes com rendimento coletável entre 7.091 e 20.261 euros, afetando mais de um milhão de agregados familiares. Na proposta de Orçamento do Estado, o Governo previa que estes contribuintes continuassem a pagar uma sobretaxa de 1%, mas só durante os primeiros três meses do ano: contas feitas, isto correspondia a uma taxa anualizada de 0,25%. Porém, é de esperar que a proposta seja alterada, para que a sobretaxa neste caso desapareça já no primeiro mês de 2017. De acordo com a TVI, a medida custará 15 milhões de euros.

Bloco de Esquerda e PCP já tinham defendido o fim da sobretaxa para todos os contribuintes em janeiro como, aliás, estava previsto numa lei de 2015.

O terceiro escalão — entre 20.261 e 40.522 euros de rendimento coletável — estará sujeito a uma sobretaxa de 1,75% durante os primeiros seis meses do ano, o que equivale a uma taxa anualizada de 0,88%. Rendimentos até 80 mil euros por ano pagam sobretaxa de 3% durante nove meses (o valor anualizado corresponde a uma taxa de 2,25%) e, por fim, o escalão mais elevado conta com uma sobretaxa de 3,5% até novembro (o que significa uma taxa anual de 3,21%).

2016out14_sobretaxa-01

“É perfeitamente possível introduzir alterações no sentido de favorecer uma mais rápida extinção da sobretaxa, eventualmente já em janeiro, da para o segundo escalão”, disse Fernando Rocha Andrade, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, esta manhã.

Notícia atualizada às 12:48 com declarações de Fernando Rocha Andrade.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sobretaxa para o segundo escalão acaba em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião