Um “descomplicador” da sobretaxa de IRS

A sobretaxa de IRS começa a desaparecer a partir do final de março para os rendimentos até 20 mil euros. Mas é preciso um 'descomplicador' para perceber a lógica do Governo.

A sobretaxa do IRS, afinal, não vai ser eliminada já no início do próximo ano. O fim será faseado, começando em março para os rendimentos mais baixos e terminando em novembro para os contribuintes que estão no escalão de rendimento mais elevado.

De acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2017, os contribuintes que estão no segundo escalão vão continuar a pagar uma sobretaxa de 1%, mas só durante os primeiros três meses do ano. Contas feitas, isto corresponde a uma taxa anualizada de 0,25% (ver gráfico). A partir do dia 31 de março de 2017, estes contribuintes deixam de descontar qualquer valor. Esta alteração deverá afetar mais de um milhão de agregados familiares.

No terceiro escalão, a sobretaxa de 1,75% vai afetar o rendimento dos primeiros seis meses do ano, o que equivale a uma taxa anualizada de 0,88%. Nesta fasquia de rendimentos, estão incluídos mais de 360 mil contribuintes.

Fonte: Versão preliminar do OE2017 (Valores em percentagem)

No quarto escalão, que apanha rendimentos entre 40.522 euros até 80.640, a atual taxa de 3% será cobrada durante nove meses, com o fim previsto até final de setembro de 2017. O valor anualizado corresponde a uma taxa de 2,25%.

Finalmente, para rendimentos acima dos 80.640, a taxa de 3,5% é aplicada até novembro. Para estes contribuintes isto significa no final do ano um alivio da taxa anual de 3,5% para 3,21%.

A sobretaxa foi criada em 2011 já com o Governo de Passos Coelho e incidia apenas sobre o subsídio de Natal. Depois fixou-se uma taxa de 3,5% a ser paga mensalmente, através de retenção na fonte. A partir de 2016, o valor da taxa foi reduzido consoante o escalão de rendimentos, passando a variar entre 1% e 3,5%.

Atenção: nem todos os casos são iguais

Tendo em conta a fórmula de cálculo da retenção da sobretaxa mensalmente, pode dar-se o caso dessa retenção não ser suficiente para a taxa total que cada contribuinte tem de pagar, mostram as simulações que a EY fez para o ECO. Assim, os contribuintes que se encontrem nesta situação vão ter de pagar o valor remanescente no ano seguinte (2018) quando entregarem as declarações de IRS.

O cálculo mensal da retenção na fonte de sobretaxa é feito tendo por base o rendimento bruto mensal ao qual são subtraídas as retenções na fonte de IRS, as contribuições para a Segurança Social e o valor do salário mínimo (530 euros). O valor apurado é multiplicado pela taxa de retenção na fonte de sobretaxa, explicou a partner da EY Anabela Silva. Recorde-se que as taxas de retenção na fonte da sobretaxa são as de 2016 (tabela do Despacho n.º 352-A/2016, de 8 de janeiro).

o cálculo anual da sobretaxa, por exemplo para os solteiros sem filhos, é feito a partir do rendimento coletável anual subtraído do salário mínimo. O valor apurado é multiplicado por 14 meses (para incorporar subsídios de férias e de Natal) que é depois multiplicado pela sobretaxa anual.

Além destas discrepâncias, há ainda casos extraordinários que podem ditar o pagamento de sobretaxa em março de 2018. Por exemplo, quem obtenha rendimentos nos primeiros meses do ano que o coloque no segundo escalão (para quem a retenção na fonte da sobretaxa é eliminada em março) e depois, a meio do ano, por exemplo, passe a ganhar valores muito mais elevados. O mesmo se passará para quem esteja sem rendimentos nos seis primeiros meses do ano e depois venha a ganhar algo que o coloque no escalão entre 40.522 e 80.640 euros anuais.

Naturalmente também haverá casos em que, em 2018, os contribuintes terão de ser ressarcidos da sobretaxa, caso nos primeiros meses lhes seja retido um valor muito elevado de sobretaxa e depois a meio do ano ficar sem qualquer rendimento.

(notícia atualizada às 01h00)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um “descomplicador” da sobretaxa de IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião