Fundo de 15 milhões para apoiar inovação na indústria já foi aprovado

O novo fundo visa apoiar políticas de valorização do conhecimento científico e tecnológico. Será dada particular relevância às áreas da eficiência energética e energias renováveis.

O fundo que o Governo lançou para apoiar a inovação na indústria já foi promulgado pelo Presidente da República e publicado em Diário da República. Ao todo, serão 15 milhões de euros para transformar “conhecimento científico e tecnológico em inovação”.

“Saudando o propósito do novo regime legal e portanto esperando que o novo fundo não constitua uma redundância administrativa, o Presidente da República promulgou o Diploma do Governo que cria, na dependência do membro do Governo responsável pela área da Economia, o Fundo de Inovação, Tecnologia e Economia Circular“, anunciou Marcelo Rebelo de Sousa, em nota publicada na quinta-feira no site da Presidência.

No mesmo dia, o diploma foi publicado em Diário da República: “em cumprimento do determinado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 84/2016, de 21 de dezembro, que aprovou o CITec – Programa Capacitar a Indústria Portuguesa, o presente decreto-lei vem criar o fundo, com a designação de Fundo de Inovação, Tecnologia e Economia Circular, que complementa outros fundos nacionais existentes e que já têm hoje objetivos e fontes de financiamento que se relacionam com atividades neste domínio”.

O fundo destina-se a “apoiar políticas de valorização do conhecimento científico e tecnológico e sua transformação em inovação“, fomentando o “estímulo à cooperação entre instituições de ensino superior, centros de interface tecnológico (CIT) e o tecido empresarial e de capacitação para um uso mais eficiente dos recursos”. Será dada particular relevância às atividades que contribuam para a redução de emissões de gases com efeito de estufa, nomeadamente nas áreas da eficiência energética e energias renováveis.

As verbas do fundo serão asseguradas pelo Fundo Português de Carbono, que irá transferir 10 milhões de euros, e pelo IAPMEI, responsável pelos restantes 5 milhões.

Já a gestão financeira do fundo ficará a cargo da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), mais conhecida por banco de fomento, que ficará responsável por fazer os pagamentos dos apoios que sejam aprovados.

O ECO sabe que os primeiros 10 milhões serão transferidos para a IFD ainda esta semana.

A esta dotação inicial, acrescem receitas anuais de várias fontes, como a taxa de registo dos pré-certificados e dos certificados do Sistema de Certificação Energética de Edifícios, as transferências de patrimónios autónomos que apoiem projetos nas áreas de intervenção do Fundo ou os proveitos obtidos em resultado da própria atividade.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de 15 milhões para apoiar inovação na indústria já foi aprovado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião