Fundo de 15 milhões para apoiar inovação na indústria já foi aprovado

O novo fundo visa apoiar políticas de valorização do conhecimento científico e tecnológico. Será dada particular relevância às áreas da eficiência energética e energias renováveis.

O fundo que o Governo lançou para apoiar a inovação na indústria já foi promulgado pelo Presidente da República e publicado em Diário da República. Ao todo, serão 15 milhões de euros para transformar “conhecimento científico e tecnológico em inovação”.

“Saudando o propósito do novo regime legal e portanto esperando que o novo fundo não constitua uma redundância administrativa, o Presidente da República promulgou o Diploma do Governo que cria, na dependência do membro do Governo responsável pela área da Economia, o Fundo de Inovação, Tecnologia e Economia Circular“, anunciou Marcelo Rebelo de Sousa, em nota publicada na quinta-feira no site da Presidência.

No mesmo dia, o diploma foi publicado em Diário da República: “em cumprimento do determinado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 84/2016, de 21 de dezembro, que aprovou o CITec – Programa Capacitar a Indústria Portuguesa, o presente decreto-lei vem criar o fundo, com a designação de Fundo de Inovação, Tecnologia e Economia Circular, que complementa outros fundos nacionais existentes e que já têm hoje objetivos e fontes de financiamento que se relacionam com atividades neste domínio”.

O fundo destina-se a “apoiar políticas de valorização do conhecimento científico e tecnológico e sua transformação em inovação“, fomentando o “estímulo à cooperação entre instituições de ensino superior, centros de interface tecnológico (CIT) e o tecido empresarial e de capacitação para um uso mais eficiente dos recursos”. Será dada particular relevância às atividades que contribuam para a redução de emissões de gases com efeito de estufa, nomeadamente nas áreas da eficiência energética e energias renováveis.

As verbas do fundo serão asseguradas pelo Fundo Português de Carbono, que irá transferir 10 milhões de euros, e pelo IAPMEI, responsável pelos restantes 5 milhões.

Já a gestão financeira do fundo ficará a cargo da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), mais conhecida por banco de fomento, que ficará responsável por fazer os pagamentos dos apoios que sejam aprovados.

O ECO sabe que os primeiros 10 milhões serão transferidos para a IFD ainda esta semana.

A esta dotação inicial, acrescem receitas anuais de várias fontes, como a taxa de registo dos pré-certificados e dos certificados do Sistema de Certificação Energética de Edifícios, as transferências de patrimónios autónomos que apoiem projetos nas áreas de intervenção do Fundo ou os proveitos obtidos em resultado da própria atividade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de 15 milhões para apoiar inovação na indústria já foi aprovado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião