O que os deputados esperam de 2017, num post-it

  • Margarida Peixoto
  • 2 Janeiro 2017

Num quadradinho de papel amarelo, 22 deputados da Assembleia da República perspetivaram o ano que aí vem.

“Quanta informação se pode pôr num post-it?” perguntou Joana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda. “Muita”, respondeu a própria bloquista. Com 2017 à porta, o ECO desafiou uma série de deputados da Assembleia da República a partilhar as suas expectativas sobre o ano novo. Pediu-lhes um post mas, desta vez, em papel: manuscrito, à antiga. E descobrimos — todos — que os velhinhos quadradinhos de papel competem bem com as novas tecnologias quando se trata de dar informação.

Perante a questão "Se eu disser 2017, pensa em...?" responderam 22 deputados da Assembleia da República.
Perante a questão “Se eu disser 2017, pensa em…?” responderam 22 deputados da Assembleia da República.Paula Nunes / ECO

Houve papéis perdidos, papéis amarrotados, papéis passados a limpo e papéis preenchidos num piscar de olhos. O “jogo” dos post-it, como lhe chamou Pedro Passos Coelho quando confrontado pelo ECO — o ex-primeiro-ministro foi o único deputado que declinou, clara e diretamente, o convite para participar — revelou tanto pelo que foi escrito, como pelo que não foi.

O desafio era simples: perante o mote “Se eu disser 2017, pensa em…?” os deputados podiam escrever o que quisessem no seu post-it. Uma palavra, uma frase, um desenho — o que entendessem. No final, o ECO organizou os papelinhos (recolheu 22) sem olhar à forma como os deputados se sentam no plenário da Assembleia da República. O critério não foi a cor política, mas antes os temas focados e o grau de confiança (ou a falta dela) com que se encara 2017. Apesar disso, os socialistas destacam-se pelo otimismo, a direita pela preocupação — que em alguns casos evoluiu mesmo para o pessimismo — e os partidos mais à esquerda preferem pensar em trabalho.

Os otimistas

Tiago Barbosa Ribeiro e João Galamba, ambos deputados socialistas, estão otimistas. “2017, um ano que se espera melhor do que 2016 e não tão bom como será 2018”, escreveu o porta-voz do PS, depois de pensar sobre o assunto — “não tenho jeito para isto”, tinha deixado escapar, na primeira abordagem do ECO. Mais esquemático, Barbosa Ribeiro focou os quatro motes que têm sido bandeira do Governo em matéria de expectativas: “normalidade, confiança, futuro, esperança”.

Filipe Neto Brandão, outro socialista, escreveu apenas “2017? Esperança”. Parecido com a solução encontrada por Margarida Balseiro Lopes, deputada do PSD, que respondeu, também numa única palavra, “Expectativas”. Já noutro estilo, embora igualmente otimista, Ana Rita Bessa, do CDS, fez quase um poema sobre Educação. Depois de pedir “estabilidade”, justificou: “Para que as escolas possam ensinar, os alunos possam aprender, os pais possam confiar e os bons resultados continuem a florescer!”

Ana Rita Bessa: "Que 2017 seja o ano da estabilidade na Educação. Para que as escolas possam ensinar, os alunos possam aprender, os pais possam confiar e os bons resultados continuem a florescer!"
Ana Rita Bessa: “Que 2017 seja o ano da estabilidade na Educação. Para que as escolas possam ensinar, os alunos possam aprender, os pais possam confiar e os bons resultados continuem a florescer! Boas Festas”Paula Nunes / ECO

Ivan Gonçalves, o novo líder da Juventude Socialista, aproveitou para recuperar o seu próprio slogan para a candidatura à liderança da JS e disse esperar que Portugal continue “do lado certo da história.” De entre os socialistas, Paulo Trigo Pereira, um deputado mais focado nas matérias económicas e orçamentais, foi o que respondeu com mais realismo. Tirou o post-it do bolso do casaco, já meio amarrotado, e escreveu: “Um ano que começa com incerteza, que acabe com paz, solidariedade e confiança no futuro.”

Paulo Trigo Pereira: "2017: um ano que começa com incerteza, que acabe com paz, solidariedade e confiança no futuro."
Paulo Trigo Pereira: “2017: um ano que começa com incerteza, que acabe com paz, solidariedade e confiança no futuro.”Paula Nunes / ECO

Da preocupação ao pessimismo

A preocupação e as dúvidas em relação ao futuro são a marca comum aos deputados da direita. “O ano de todos os perigos”, diz Cristóvão Crespo, deputado do PSD.

Cristóvão Crespo: "2017, O ano de todos os perigos."
Cristóvão Crespo: “2017, o ano de todos os perigos.”Paula Nunes / ECO

“Incerteza”, escreve Inês Domingos, também social-democrata. Nuno Magalhães, líder da bancada parlamentar do CDS, escreve a marcador azul escuro, mas no mesmo tom: quando pensa em 2017, pensa em “riscos que poderiam ter sido prevenidos ou evitados”.

Nuno Magalhães: "...Riscos que poderiam ter sido prevenidos ou evitados."
Nuno Magalhães: “…riscos que poderiam ter sido prevenidos ou evitados.”Paula Nunes / ECO

Mas há quem esteja mesmo pessimista. Luís Montenegro, líder da bancada parlamentar do PSD, pensa numa oportunidade perdida. “Portugal podia ficar melhor e a vida quotidiana das pessoas também? Poder podia mas… Não com este Governo!” Hélder Amaral, deputado do CDS, diz quase o mesmo, mas por outras palavras: “2017, em vez de um ano de viragem, será um ano perdido.”

Luís Montenegro: "2017. Portugal podia ficar melhor e a vida quotidiana das pessoas também?Poder podia mas... Não era com este Governo!"
Luís Montenegro: “2017. Portugal podia ficar melhor e a vida quotidiana das pessoas também? Poder podia mas… Não era com este Governo!”Paula Nunes / ECO

O que a Europa nos reserva

Há dois deputados que pensam na Europa: Eurico Brilhante Dias, do PS, e Carlos Silva, do PSD. Mas de forma diferente. À primeira tentativa, Eurico Brilhante Dias perdeu o post-it. Mas quatro dias depois ainda se lembrava do que tinha escrito e por isso foi fácil repetir. Desejou “o relançamento do projeto europeu na Cimeira de Roma”. Marcada para 25 de março de 2017, o dia em que se assinalam os 60 anos do Tratado de Roma, a expectativa é que esta cimeira permita concluir o processo de reflexão sobre o futuro da União Europeia, iniciado em Bratislava, no rescaldo da decisão do Reino Unido de abandonar a União.

Eurico Brilhante Dias: "2017... desejo relançamento do projeto europeu na cimeira de Roma."
Eurico Brilhante Dias: “2017… desejo relançamento do projeto europeu na cimeira de Roma.”Paula Nunes / ECO

Já Carlos Silva, do PSD, olha para a Europa como a tábua de salvação. E aproveita para responsabilizar o atual Executivo: “Espero que a Europa e o mundo neste novo ano ajudem Portugal a corrigir os erros cometidos no ano velho”, escreveu, num post-it passado a limpo. É o mesmo tipo de pessimismo presente nas respostas dos outros deputados da direita: ou as condições externas salvam Portugal, ou o ano está perdido.

Com menos estados de alma, a esquerda pensa em combates

Foi quase tão difícil arrancar um post-it de um deputado do Bloco de Esquerda, como de Passos Coelho. Mas embora o BE tenha participado no desafio com um único contributo, a bloquista Joana Mortágua conseguiu colocar nos 76 x 76 mm de papelinho amarelo uma quantidade inigualável de informação. Está lá tudo: passado, presente, futuro, sentido de evolução, e ainda um mote para acompanhar as batalhas escolhidas pelo BE, devidamente identificadas. A saber: “Precariedade, SNS, Dívida Pública, Escola democrática e Investimento Público”.

Joana Mortágua desenhou um esquema com a evolução de 2015 a 2017. Para 2015, escolheu a palavra "austeridade". 2016 foi assinalado com "devolução de salários e pensões" e 2017 marca os "grandes combates". Escolhe cinco: "precariedade, SNS, dívida pública, escola democrática, investimento público." Remata com um lema: "Não basta mudar o tempo, é preciso mudar vontades."
Joana Mortágua desenhou um esquema com a evolução de 2015 a 2017. Para 2015, escolheu a palavra “austeridade”. 2016 foi assinalado com “devolução de salários e pensões” e 2017 marca os “grandes combates”. Escolhe cinco: “precariedade, SNS, dívida pública, escola democrática, investimento público.” Remata com um lema: “Não basta mudar o tempo, é preciso mudar vontades.”Paula Nunes / ECO

Já no PCP, destacou-se a organização. Os comunistas foram recetivos ao desafio desde o início, mas foi tudo coordenado pela assessora de imprensa que, diligentemente, foi entregando os post-it um a um. Ao todo, participaram cinco deputados e o foco foi, tal como no caso único do BE, os combates que os comunistas esperam vir a travar.

Paulo Sá pensa “na continuação da luta para melhorar as condições de vida dos trabalhadores e do povo.” Diana Ferreira espera que o novo ano signifique “mais conquistas e melhores condições de vida”, Rita Rato antecipa “Combate à precariedade, mais direitos!”. João Oliveira, líder da bancada parlamentar comunista, perspetiva “menos precariedade e um futuro melhor para os jovens.”

Rita Rato: "Combate à precariedade, mais direitos!"
Rita Rato: “Combate à precariedade, mais direitos!”Paula Nunes / ECO

O espírito natalício

E porque o desafio foi lançado em época festiva, alguns deputados responderam imbuídos do espírito natalício e da viragem do ano. Duarte Pacheco, do PSD, pediu a Deus “prosperidade e saúde” para todos. Hugo Soares, também social-democrata, desejou “saúde”, num post-it preenchido num ápice, enquanto era pressionado por um grupo de jornalistas sobre o que iria o PSD fazer perante a oposição do PS e da esquerda a ouvir Mário Centeno e António Domingues na comissão de inquérito à Caixa, sobre a demissão do ainda presidente do banco público. Já João Torres, recém-eleito vice-presidente da bancada parlamentar do PS, escreveu, em maiúsculas, “felicidade”.

João Torres: "Felicidade"
João Torres: “Felicidade”Paula Nunes / ECO

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O que os deputados esperam de 2017, num post-it

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião