Inflação na Alemanha faz subir juros portugueses

Os investidores estão a exigir taxas de juro mais elevadas para compensar o efeito corrosivo que a subida inflação tem sobre os retornos dos seus investimentos. Juros sobem em toda a zona euro.

As previsões de que a taxa de inflação na Alemanha subiu significativamente em dezembro está a pressionar esta terça-feira as obrigações em toda a zona euro, à medida que mais investidores regressam ao ativo após das férias da quadra natalícia.

Os juros da dívida portuguesa não eram exceção neste quadro de agravamento generalizado. A yield implícita nas obrigações a dez anos avança dez pontos base para 3,8%, depois da forte correção na sessão de ontem, perante a expectativa de regresso do Banco Central Europeu (BCE) aos mercados de dívida. Os juros subiam em todas as maturidades.

Juros portugueses disparam esta terça-feira

juros10anos-01
Fonte: Bloomberg (valores em %)

Também as taxas alemãs e espanholas registavam subidas esta manhã. O juro das bunds a dez anos soma cerca de seis pontos base para 0,245%, depois de ter fixado mínimos de dois meses na sessão de ontem. No caso espanhol, a taxa na mesma maturidade avançava para os 1,396%.

Os economistas sondados pela Reuters sugerem que os preços na maior economia do mundo terão subido 1,3% em dezembro, um valor que compara com o avanço de 0,7% do índice de preços no consumidor registado no mês anterior. Estes dados vão ser divulgados ao início da tarde desta terça-feira. Os investidores exigem taxas de juro mais elevadas para compensar o efeito corrosivo que a inflação tem sobre os retornos dos seus investimentos.

“Sem dúvida nenhuma, o ponto mais importante de hoje será a divulgação da taxa de inflação na Alemanha”, referiu a estratega Birgit Figge, do DZ Bank, à Reuters. “Até há poucas semanas, o consenso apontava para riscos limitados na subida da inflação, porém… a taxa de inflação prevista para ser divulgada hoje deverá relevar uma subida significativa”, acrescentou. O DZ Bank espera que a inflação alemã tenha ficado nos 1,4% em dezembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação na Alemanha faz subir juros portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião