Paris quer 20 mil banqueiros londrinos no pré-Brexit

  • Marta Santos Silva
  • 3 Janeiro 2017

O lóbi parisiense Europlace vai tentar seduzir os banqueiros da City já em fevereiro, à medida que se aproxima o princípio das negociações da saída do Reino Unido da União Europeia.

Theresa May prometeu iniciar as negociações do Brexit, através da ativação do Artigo 50 do Tratado de Lisboa, em março de 2017. Assim, várias cidades europeias estão em contagem decrescente no seu objetivo de atrair o máximo número de instituições e banqueiros da City londrina, que possam querer manter um pé dentro da comunidade europeia quando o Reino Unido sair.

É o caso de Paris, que através do seu lóbi Europlace vai começar a tentar seduzir os banqueiros londrinos, e esperam chamar até 20 mil para a capital francesa. “Acreditamos que as decisões vão ser tomadas no primeiro semestre do ano novo”, disse Arnaud de Bresson, o diretor da Uniplace, numa entrevista citada pela Bloomberg. “Vemos que algumas instituições estão a acelerar o seu processo de consideração”.

As vantagens de Paris? Segundo a Uniplace, o facto de já empregar 180 mil trabalhadores da área financeira e ter o maior mercado acionista da região. Paris está bem posicionada para captar alguns dos postos de trabalho de Londres, mas a concorrência é forte: cidades como Frankfurt e Madrid também estão na corrida para tentar atrair os possíveis autoexilados do distrito financeiro da capital britânica.

Paris tem também desvantagens para os trabalhadores do setor financeiro, porém, entre elas as rígidas leis laborais francesas que não deixam espaço para contratações e despedimentos tão fluidos como noutras capitais. O lóbi Europlace está a trabalhar para tentar que os legisladores afrouxem estas regulamentações, de forma a tornar a cidade mais atrativa.

Segundo o lóbi britânico TheCityUK, há mais de 70 mil empregos em jogo que poderão ser levados para países da Europa continental quando o Brexit começar a ser negociado.

A primeira-ministra Theresa May não terá interesse em fazer favores ao setor financeiro nesse acordo, mesmo que várias instituições já tenham ameaçado mudar-se, seja para a Irlanda seja para Frankfurt, e que outros países estejam a fazer esforços para seduzir trabalhadores e instituições para os seus países, como Madrid, que está a preparar incentivos fiscais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paris quer 20 mil banqueiros londrinos no pré-Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião