As autárquicas vão à bomba de combustível

  • João Santana Lopes
  • 4 Janeiro 2017

Assunção Cristas foi abastecer combustível e José Eduardo Martins, coordenador autárquico do PSD em Lisboa, não tardou em deixar uma crítica.

Começam a carburar, as eleições autárquicas. A já anunciada candidata do CDS-PP à Câmara Municipal de Lisboa, Assunção Cristas, foi esta quarta-feira à bomba de combustível para criticar a política do governo de António Costa e denunciar o aumento no preço da gasolina e do gasóleo. Contudo, quem acabou por ser criticada foi mesmo a presidente do CDS-PP. E logo pelo potencial aliado nas eleições que se irão realizar este ano.

José Eduardo Martins, coordenador do programa autárquico do PSD em Lisboa e antigo Deputado, fez uma publicação no Facebook onde critica a dirigente do CDS-PP por utilizar este tipo de ações, dando também como exemplo o gesto da ex-Ministra da Agricultura para com António Costa no debate quinzenal, na véspera do Natal.

Surpreendente ou não, a crítica do advogado acabou por merecer aprovação por parte do Deputado do PCP Miguel Tiago, que colocou um “gosto”. Uma reação numa rede social coerente com a preocupação já demonstrada pelo PCP em relação ao aumento do preço dos combustíveis.

Posteriormente, a publicação de José Eduardo Martins ainda mereceu mais duas intervenções de destaque, através de comentários: Carlos Barbosa (putativo candidato do PSD à Câmara Municipal de Lisboa) e José Lino Ramos (Vogal da Comissão Política Nacional do CDS-PP e antigo Deputado).

A primeira intervenção já não se encontra visível e a segunda… bem, mereceu desenvolvimento acalorado de ambas as partes: José Lino Ramos pediu satisfações a José Eduardo Martins sobre as suas responsabilidades e este último devolveu reforçando a crítica, considerando que “a mensagem [é] importante e acho pena perder-se por tanta infantilidade de jotinha”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As autárquicas vão à bomba de combustível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião