ISP do gasóleo sobe dois cêntimos. Gasolina desce

O Governo reviu as taxas de ISP a aplicar no próximo ano. No sentido de harmonizar a fiscalidade entre os dois combustíveis, o gasóleo vai ficar mais caro a partir de dia 1.

O gasóleo vai ficar mais caro. O Governo anunciou um aumento do Imposto Sobre produtos Petrolíferos (ISP) em dois cêntimos por litro, isto ao mesmo tempo em que reduz no mesmo valor o ISP sobre a gasolina. A ideia é harmonizar a fiscalidade entre os dois combustíveis.

Na portaria que atualiza o valor da taxa unitária do imposto sobre os produtos petrolíferos e energéticos aplicável no continente à gasolina sem chumbo e ao gasóleo rodoviário, publicada em Diário da República, lê-se que há uma alteração do ISP: “menos dois cêntimos na gasolina e mais dois cêntimos no gasóleo”.

Esta revisão já estava prevista no Orçamento do Estado, embora à data não houvesse valores. E já no OE tinha sido sinalizada a “descida na tributação sobre a gasolina com contrapartida numa subida de igual montante da tributação do gasóleo”, sendo que o Executivo prometia um efeito neutro para os consumidores na hora de abastecerem.

Na realidade, há alterações nos preços que os portugueses vão pagar a partir de 1 de janeiro com uma descida na gasolina e uma manutenção no valor do diesel. Mas isso já iria existir de qualquer forma tendo em conta o impacto que iria verificar-se nos valores de venda ao público por causa dos biocombustíveis.

Contudo, ao mesmo tempo que se revê o ISP “introduz-se uma moratória na incorporação de biocombustíveis no gasóleo e gasolina, evitando a subida dos seus preços base”, diz o documento. O OE “derrogou a meta de incorporação de biocombustíveis, tendo em vista evitar por essa via uma subida de cerca de dois cêntimos no preço de todos os combustíveis”.

Desta forma, o impacto para os consumidores é menor, sendo que se dá início a um processo de aproximação da fiscalidade entre os dois produtos. Isto acontece numa altura em que o Governo avançou com o alargamento do sistema de gasóleo profissional a todo o país depois de um período experimental nas zonas de fronteira. Com o gasóleo profissional deixa de haver justificação para a bonificação no diesel.

Com a introdução do regime de gasóleo profissional, reduz-se a justificação para a diferença de tributação entre o gasóleo e a gasolina, pelo que deverá caminhar-se no sentido da aproximação das taxas aplicáveis aos dois tipos de combustível. Esta correção deverá ser gradual, pois ao longo dos anos houve em Portugal, tal como noutros países europeus, um incentivo à utilização individual de veículos movidos a gasóleo, eventualmente mais poluentes do que aqueles que funcionam a gasolina, com as inevitáveis consequências ambientais”, refere.

Mais perto da Europa

Com esta alteração no ISP, o Governo diz que aproxima-se o ISP com outros países europeus. “Os impostos especiais de consumo na Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Reino Unido e Suécia ascendem em média a 62 cêntimos por litro na gasolina e a 50 cêntimos por litro no gasóleo”.

“Ou seja, os impostos especiais de consumo em Portugal são atualmente cerca de cinco cêntimos mais elevados na gasolina e cinco cêntimos mais baixos no gasóleo quando comparado com aqueles países europeus“, remata.

(Notícia atualizada às 22h50 com mais informação)

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ISP do gasóleo sobe dois cêntimos. Gasolina desce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião