Simulações: pensões baixam em janeiro mas recuperam depois

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 4 Janeiro 2017

O Ministério do Trabalho fez simulações para explicar as alterações a que as pensões estão sujeitas a partir deste mês.

As reformas contam com várias alterações este ano que podem deixar os pensionistas confusos. Já em janeiro, as pensões até 842,64 euros vão ser atualizadas em 0,5% mas, apesar disso, a “generalidade” dos beneficiários vai receber um valor inferior face aos montantes a que estava habituado, confirmou já o ministro do Trabalho, Vieira da Silva. No entanto, as pensões não vão encolher no conjunto do ano de 2017. A maioria aumenta.

Para explicar estas alterações, o Ministério do Trabalho elaborou algumas simulações. Uma pessoa que recebia 500 euros em dezembro, já contando com o duodécimo do subsídio de natal, vai passar a receber 483,18 euros em janeiro. Porquê? Porque este ano, só metade do subsídio de natal é pago em duodécimos — em 2016, todo o subsídio era repartido pelos 12 meses.

Portanto, em dezembro, esta pessoa recebia 461,54 euros que, somados ao duodécimo de 38,46 euros, atingiam 500 euros. Este ano, a mesma pensão de 461,54 euros sobe em janeiro para 463,85 euros, por via da atualização de 0,5%, mas conta ainda com o pagamento de 19,33 euros por via do duodécimo referente a metade do subsídio. Ou seja, feitas as contas, atinge os tais 483,18 euros (menos 3,4% face a dezembro).

Mas em termos anuais, esta pessoa sai a ganhar. Em 2016 recebeu 6.461,56 euros e em 2017 vai ganhar mais: as simulações do Governo apontam para 6.493,9 euros mas não contam ainda com o aumento extraordinário de agosto que vai abranger os mais de dois milhões de pensionistas que, no conjunto, recebem reformas até até 631,98 euros.

penso-500-euros
Fonte: MTSSS

 

Já um pensionista que recebia 800 euros em dezembro vai passar a receber 773,08 euros em janeiro. Isto porque recebia antes um duodécimo de 61,54 euros e recebe agora apenas 30,92 euros (referente a metade do subsídio de natal). Mas se em 2016 este pensionista recebeu 10.338,44 euros de pensão, no final de 2017 esse valor já será de 10.390,24 euros. Este já é o valor final, uma vez que este pensionista, por receber uma pensão de montante mais elevado, não vai ter direito a aumento extraordinário em agosto.

No caso das pensões mínimas, o valor também encolhe em janeiro, recuperando mais tarde. Quem recebe uma pensão social contava com 257,34 euros em dezembro (incluindo duodécimo) e contará em janeiro com 248,68 euros (com duodécimo referente a meio subsídio). No final do ano, porém, o valor compensa o de 2016: no ano passado recebeu 3.325,56 euros e este ano receberá 3.342,22 euros, e isto sem contar com o aumento extraordinário de agosto a que poderá ter direito.

Sendo metade do subsídio de natal paga em duodécimos, a outra metade é paga no período habitual (novembro no caso da Caixa Geral de Aposentações e dezembro no caso da Segurança Social).

Mas há outra mudança relevante: no final do ano, os duodécimos terão de ser acertados na maioria dos casos. O valor do subsídio de natal corresponde ao da pensão paga no mês em que o subsídio é devido. Nessa altura, boa parte dos pensionistas já deverá contar com uma reforma superior devido ao aumento extraordinário de agosto (até 10 ou 6 euros, contando já com a atualização de janeiro).

No entanto, como a Segurança Social ainda não sabe exatamente quem são os pensionistas abrangidos por esta subida extraordinária, ainda não é possível pagar o duodécimo correspondente ao valor da pensão no final do ano. Por isso mesmo, explicou a secretária de Estado da Segurança Social, este mês o duodécimo a pagar corresponde ao valor da pensão de janeiro e assim será nos próximos meses. Só no final do ano haverá acertos.

Os pensionistas vão receber uma carta a avisar que há mudanças. “Mesmo que o valor mensal da sua pensão de janeiro de 2017 seja inferior ao que recebeu em dezembro de 2016, o valor total de pensões que vai receber durante todo o ano será igual ou superior ao valor que recebeu durante o ano de 2016”, indica o Ministério na carta. De acordo com dados do Governo, todos os pensionistas ganham mais em 2017, “com exceção dos pensionistas casados, único titular, com pensão entre 842,64 e 1.205 euros“.

As reformas da Segurança Social pagas por transferência bancária chegam à conta dos beneficiários no dia 10 (terça-feira). Se o pagamento for por vale postal, há agora uma antecipação face às datas que vigoravam (entre 3 e 12 de janeiro), diz o ministério do Trabalho. Já os pensionistas da Caixa Geral de Aposentações recebem no dia 19.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Simulações: pensões baixam em janeiro mas recuperam depois

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião