Finanças garantem que venda do Novo Banco não vai pesar aos contribuintes

  • Margarida Peixoto
  • 5 Janeiro 2017

O Ministério das Finanças reconhece, em comunicado, que há condicionantes nas propostas apresentadas para a compra do Novo Banco. Contudo, garante que não haverá custos para os contribuintes.

O Ministério das Finanças promete que a venda do Novo Banco será feita de modo a não pesar nas contas públicas. Em comunicado enviado às redações, o Governo reconhece que há “condicionantes”, mas sublinha que há vários interessados.

“O Governo sempre destacou que este processo de venda a investidores privados deve assegurar que não existirá impacto nas contas públicas ou encargos para os contribuintes”, frisa o ministério de Mário Centeno. Contudo, reconhece, também será necessário acautelar “o impacto nas responsabilidades do sistema financeiro para com o Fundo de Resolução, salvaguardando assim a estabilidade do sistema no seu conjunto.”

"Este processo de venda a investidores privados deve assegurar que não existirá impacto nas contas públicas ou encargos para os contribuintes, sendo também importante assegurar que a operação de venda acautele o impacto nas responsabilidades do sistema financeiro para com o Fundo de Resolução, salvaguardando assim a estabilidade do sistema no seu conjunto.”

Ministério das Finanças

Gabinete de imprensa

O Governo faz questão de sublinhar o facto de “existirem neste momento várias propostas para a aquisição do Novo Banco”, embora o Banco de Portugal tenha considerado que estas propostas “envolvem algumas condicionantes”. Seja como for, “os potenciais investidores manifestaram desde já disponibilidade para aprofundar as negociações no sentido dessas condicionantes serem ultrapassadas”, nota o Executivo.

Desta forma, Mário Centeno espera que o “aprofundamento das negociações” permitam vender o Novo Banco “com celeridade”, assegurando-se a sua “continuidade estável e duradoura.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças garantem que venda do Novo Banco não vai pesar aos contribuintes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião