Museus e monumentos com mais visitantes em 2016

  • Lusa
  • 6 Janeiro 2017

Os museus, monumentos e palácios nacionais receberam em 2016 mais de 4,6 milhões de visitantes no ano passado, um aumento de 15,5% em relação ao ano anterior.

Os monumentos, museus e palácios nacionais receberam mais de 4,6 milhões de visitantes no ano passado, o que representa um aumento de 15,5%, em relação a 2015, segundo dados divulgados hoje pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). “Todos os equipamentos culturais tutelados pela DGPC viram aumentar os seus visitantes”, um facto que acontece pela primeira vez, de acordo com a DGPC, que sublinha o registo de subidas tanto do público nacional como estrangeiro.

“Em 2016, mais de quatro milhões e 682 mil pessoas visitaram Monumentos, Museus e Palácios tutelados pela DGPC, representando um aumento de 15,5%, em relação a 2015 (mais 626.803)”, lê-se no comunicado hoje divulgado. Além do “evidente aumento do turismo internacional”, a DGPC justifica ainda estas subidas pela “qualidade da oferta cultural nestes equipamentos, a abertura de novos espaços, as exposições temporárias, os eventos culturais e a atividade dos serviços educativos”.

No Museu Nacional de Arte Antiga, por exemplo, a inauguração da nova Galeria de Pintura e Escultura Portuguesas teve mais de 67 mil visitas, das 175.578 entradas totais deste equipamento, às Janelas Verdes, em Lisboa, em 2016. A DGPC destaca a exposição temporária “Lusitânia Romana, origem de dois povos”, que esteve patente entre maio e junho no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, que contou mais de 58.000 visitantes, dos 146.955 totais em 2016, do museu.

No Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu, registou-se um aumento para 114.568 visitantes, em 2016, o que se “deveu em muito à vasta programação no âmbito das comemorações do centenário” desta instituição. A exposição temporária “Amadeo Souza Cardoso, Porto – Lisboa, 2016 -1916”, patente no Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, registou, de 01 de novembro até 31 de dezembro de 2016, mais de 43.000 visitas, num total de 98.694 entradas no museu, durante o ano de 2016.

Do total de visitantes dos museus, palácios e monumentos nacionais, em 2016, cerca de 70% – 3.257.709 – são estrangeiros, enquanto 1.425.068, cerca de 30%, são nacionais. Entre os visitantes estrangeiros, a maioria visitou monumentos (2.358.176 pessoas, cerca de 72%), enquanto 740.891 visitaram os museus (cerca de 23%) e 158.642, os palácios nacionais (cerca de 5%). Quanto aos visitantes portugueses, a preferência foi para os museus, que receberam 738.336 visitas, cerca de 52%, seguindo-se os monumentos com 447.898 (perto de 31%) e, finalmente, os palácios, com 238.834 (cerca de 17%).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Museus e monumentos com mais visitantes em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião