Museus e monumentos com mais visitantes em 2016

  • Lusa
  • 6 Janeiro 2017

Os museus, monumentos e palácios nacionais receberam em 2016 mais de 4,6 milhões de visitantes no ano passado, um aumento de 15,5% em relação ao ano anterior.

Os monumentos, museus e palácios nacionais receberam mais de 4,6 milhões de visitantes no ano passado, o que representa um aumento de 15,5%, em relação a 2015, segundo dados divulgados hoje pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). “Todos os equipamentos culturais tutelados pela DGPC viram aumentar os seus visitantes”, um facto que acontece pela primeira vez, de acordo com a DGPC, que sublinha o registo de subidas tanto do público nacional como estrangeiro.

“Em 2016, mais de quatro milhões e 682 mil pessoas visitaram Monumentos, Museus e Palácios tutelados pela DGPC, representando um aumento de 15,5%, em relação a 2015 (mais 626.803)”, lê-se no comunicado hoje divulgado. Além do “evidente aumento do turismo internacional”, a DGPC justifica ainda estas subidas pela “qualidade da oferta cultural nestes equipamentos, a abertura de novos espaços, as exposições temporárias, os eventos culturais e a atividade dos serviços educativos”.

No Museu Nacional de Arte Antiga, por exemplo, a inauguração da nova Galeria de Pintura e Escultura Portuguesas teve mais de 67 mil visitas, das 175.578 entradas totais deste equipamento, às Janelas Verdes, em Lisboa, em 2016. A DGPC destaca a exposição temporária “Lusitânia Romana, origem de dois povos”, que esteve patente entre maio e junho no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, que contou mais de 58.000 visitantes, dos 146.955 totais em 2016, do museu.

No Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu, registou-se um aumento para 114.568 visitantes, em 2016, o que se “deveu em muito à vasta programação no âmbito das comemorações do centenário” desta instituição. A exposição temporária “Amadeo Souza Cardoso, Porto – Lisboa, 2016 -1916”, patente no Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, registou, de 01 de novembro até 31 de dezembro de 2016, mais de 43.000 visitas, num total de 98.694 entradas no museu, durante o ano de 2016.

Do total de visitantes dos museus, palácios e monumentos nacionais, em 2016, cerca de 70% – 3.257.709 – são estrangeiros, enquanto 1.425.068, cerca de 30%, são nacionais. Entre os visitantes estrangeiros, a maioria visitou monumentos (2.358.176 pessoas, cerca de 72%), enquanto 740.891 visitaram os museus (cerca de 23%) e 158.642, os palácios nacionais (cerca de 5%). Quanto aos visitantes portugueses, a preferência foi para os museus, que receberam 738.336 visitas, cerca de 52%, seguindo-se os monumentos com 447.898 (perto de 31%) e, finalmente, os palácios, com 238.834 (cerca de 17%).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Museus e monumentos com mais visitantes em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião