Morada única digital: Proteção de Dados diz que devia ter sido consultada

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 11 Janeiro 2017

CDS pediu parecer da Comissão Nacional de Proteção de Dados e esta disse que não foi ouvida. Governo entende que só agora pode pedir o parecer e garante que o fará.

O Governo garante que vai consultar a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) sobre o decreto-lei que cria a morada única digital e o serviço público de notificações eletrónicas associado. Mas a Comissão entende que já devia ter sido ouvida, nomeadamente no âmbito de uma proposta de lei entretanto aprovada, que autoriza o Governo a legislar nesse sentido.

Proposta de lei e decreto-lei foram apresentados em conjunto, “para melhor análise do sentido e extensão da autorização legislativa solicitada”, explicou fonte do Ministério da Presidência e da Modernização Administrativa ao ECO. Será o decreto-lei a regular, nomeadamente, a morada única digital, que permitirá o envio de notificações eletrónicas por parte de entidades públicas a empresas e cidadãos. Mas este diploma ainda não teve luz verde: neste caso, terá de ser o Executivo — e não o Parlamento — a aprovar, o que ainda não aconteceu.

O pedido do CDS e a reação da CNPD

O texto de decreto, ainda por aprovar, indica que a CNPD foi ouvida, o que levou o CDS-PP a pedir um exemplar do parecer, num requerimento datado de 9 de janeiro. Caso este não existisse, o grupo parlamentar pedia à CNPD a confirmação de que o Governo o tinha solicitado.

A resposta surge logo no dia 10, com a CNPD a indicar que “não foi solicitada a pronunciar-se pelo Governo sobre o teor da referida proposta de lei, nem, até ao momento, sobre o anteprojeto de decreto-lei que acompanha a referida proposta”. Daí não existir nenhum parecer. Mas acrescenta: “tanto a proposta de lei como o decreto-lei autorizado contêm normas relativas a tratamentos de dados pessoais”, e, por isso, “a CNPD deveria ter sido consultada sobre os dois diplomas legais”.

A resposta do Governo

Questionado sobre o assunto pelo ECO, o Ministério da Presidência refere que o texto de Decreto-Lei “não foi ainda nem discutido nem aprovado em Conselho de Ministros, uma vez que para tal era necessária a autorização legislativa, agora aprovada, mas ainda não publicada em Diário da República”.

Para o Ministério, só depois dessa publicação “é que o Governo fica autorizado a iniciar o processo legislativo e, nesse âmbito, a consultar a CNPD”. “É isso que o Governo vai fazer”, conclui a mesma fonte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morada única digital: Proteção de Dados diz que devia ter sido consultada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião