5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

  • Ana Luísa Alves
  • 16 Janeiro 2017

Se quiser participar no aumento de capital do BCP, tem até às 16h30 da sessão desta segunda-feira para comprar títulos do banco que conferem acesso às novas ações. Wall Street estará encerrado.

As ações do BCP deixam de negociar sem direitos a partir do fim da sessão desta segunda-feira e, por isso, tem hoje a última oportunidade se quiser participar no aumento de capital do banco. No plano internacional, a OCDE publica as taxas de desemprego no seio dos países da organização e o Fundo Monetário Internacional (FMI) apresenta as suas perspetivas para a economia mundial. Último ponto de atenção: os mercados norte-americanos encontram-se encerrados devido ao Dia de Martin Luther King Jr.

BCP (quase) sem direitos

Se quer participar no aumento de capital do BCP, tem até ao final da sessão desta segunda-feira para o fazer. Os títulos do banco deixam de negociar sem os direitos já na sessão desta terça-feira. Por cada ação detida, os acionistas recebem um direito à subscrição de 15 novas ações ao preço de 9,4 cêntimos cada.

FMI apresenta perspetivas económicas

O Fundo Monetário Internacional publica esta segunda-feira a atualização do World Economic Outlook, que traz as previsões económicas para as maiores economias do mundo, e para os maiores agregados regionais. Os dados são fundamentais para saber com que conjuntura externa Portugal pode contar.

Desemprego na OCDE

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) publica estatísticas sobre o mercado laboral. Será uma oportunidade para comparar as taxas de desemprego entre as principais economias mundiais, incluindo Portugal. Em novembro, Portugal registava uma taxa de desemprego de 10,5%, a sexta mais alta da região da moeda única.

Comércio na Zona Euro

O Eurostat divulga esta segunda-feira os dados relativos ao comércio na Zona Euro, apresentando dados relativos a novembro. Este é um dos indicadores que vai permitir avaliar a saúde da economia no bloco da moeda única, numa altura em que se têm verificado sinais de melhoria na atividade económica da região.

E o futuro do petróleo?

O influente ministro do Petróleo saudita, Khalid Al Falih, é um dos oradores da Cimeira Mundial do Futuro da Energia, que arranca esta segunda-feira em Abu Dhabi. O encontro conta com a participação do ministro da energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Al Mazrouei. Um dos temas em discussão será o acordo recentemente alcançado no seio da OPEP, que tem deixado os preços do petróleo numa constante montanha russa. Qual o futuro do ouro negro?

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião