Reino Unido ameaça tornar-se num paraíso fiscal

O Reino Unido pode vir a tornar-se num paraíso fiscal face ao que é tributado às empresas nos países dentro da União Europeia. É esta a arma britânica nas negociações com as autoridades europeias.

O ministro da Economia britânico ameaçou a União Europeia: caso não haja acordo para ter acesso ao mercado único, o Reino Unido pode transformar o seu modelo económico num paraíso fiscal para as empresas. A ideia foi transmitida ao jornal alemão Welt am Sonntag, que o britânico The Guardian citou no domingo.

“Muitos de nós que votaram para o Reino Unido ficar [na União Europeia] gostariam que o país fique numa economia do estilo europeu com um sistema de impostos do estilo europeu, assim como os sistemas de regulação”, começou por dizer Philip Hammond. Essa é também a sua convicção pessoal: “Eu, pessoalmente, espero que nós fiquemos na economia europeia mainstream assim como no pensamento social”.

Podemos vir a ser forçados a mudar o nosso modelo económico e nos vamos ter de mudar o nosso modelo económico para reconquistar competitividade.

Philip Hammond

Ministro da Economia britânico

No entanto, o ministro da Economia de Theresa May não deixou de aproveitar o momento para sugerir uma ameaça: “Se nós formos forçados a ser algo diferente, assim vamos ter de nos tornar em algo diferente”. “Podemos vir a ser forçados a mudar o nosso modelo económico e nos vamos ter de mudar o nosso modelo económico para reconquistar competitividade. E podem ter a certeza que vamos fazer o que quer que seja necessário fazer”, garantiu o chefe da economia britânica.

“Os britânicos não vão baixar os braços e dizer ‘é pena, nós fomos afetados’. Vamos mudar o nosso modelo e vamos regressar, e vamos envolver-nos de forma competitiva“, assinalou Hammond.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido ameaça tornar-se num paraíso fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião