Governo avança com 60 milhões para apoiar empresas que contratem desempregados

  • ECO
  • 17 Janeiro 2017

Na próxima semana arranca o primeiro concurso para os novos apoios à contratação de desempregados, avança o Público. Será apoiada a criação de cinco mil postos de trabalho.

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) vai lançar, na próxima semana, o primeiro concurso para os novos apoios à contratação de desempregados, avança o Público (acesso condicionado). A medida Contrato-Emprego vem substituir o Estímulo-Emprego, que estava suspenso desde julho do ano passado, mas será mais seletiva e deixará de apoiar as empresas que contratam desempregados por menos de um ano.

O jornal diário refere que o diploma que cria a medida Contrato-Emprego deverá ser publicado esta semana em Diário da República, com o IEFP a torna público logo a seguir o regulamento. Fonte oficial do Ministério do Trabalho disse ao Público que o objetivo é que o primeiro concurso abra já a 25 de janeiro, estando prevista uma dotação de 20 milhões de euros para apoiar cerca de cinco mil postos de trabalho.

Ao longo de 2017, serão abertos mais dois períodos de candidaturas, um a meio do ano e outro no final do segundo semestre. A expectativa é que os três concursos apoiem, com um total de 60 milhões de euros, a transição para o mercado de trabalho de 15 mil desempregados.

A nova medida será, contudo, orientada por novos critérios. Uma das inovações do Contrato-Empresa prende-se com a forma como serão selecionadas as empresas beneficiárias. As candidaturas serão avaliadas através de uma matriz de critérios, definida no regulamento da medida. Cada critério terá uma pontuação e as empresas serão ordenadas, sendo que só serão aprovadas as candidaturas dentro do orçamento disponível. Outra das mudanças tem a ver com a redução dos apoios dados às empresas, privilegiando a contratação sem termo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo avança com 60 milhões para apoiar empresas que contratem desempregados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião