Tubezito: este YouTube é só para miúdos

  • Ana Luísa Alves
  • 17 Janeiro 2017

As crianças procuram cada vez mais os smartphones, a internet, e, consequentemente, os vídeos dos seus bonecos preferidos no YouTube. Mas o Tubezito permite que o façam de forma segura.

Com que é que os seus filhos brincam? Com o seu smartphone? Provavelmente sim. Se o que o seu filho gosta é de ver vídeos no YouTube, dê-lhe a conhecer o Tubezito, uma lista filtrada de filmes, músicas e séries para crianças dos três aos 10 anos.

João Pina Souza é diretor de programação na Newvison e tem dois filhos com seis anos que, “desde cedo, mexem nos telemóveis e computadores, à procura de vídeos para ver no YouTube”. Mas confessa que muitas vezes acabavam por ver “coisas que não deviam, que os assustavam”.

João Pina Souza
João Pina Souza

Foi por isso que João se lembrou de criar o Tubezito, um site onde junta alguns dos desenhos animados que as crianças mais gostam de ver isto porque, “no YouTube, há a hipótese de criar listas de vídeos, mas para isso é preciso ter uma conta de email associada”. No Tubezito não.

screens

O site é feito em HTML5, CSS3, JavaScript, e Bootstrap, pretende ser simples e prático mas, mais importante, quer ser seguro. O propósito de João era satisfazer os filhos, mas também os filhos dos amigos que, em idades semelhantes veem, por norma, as mesmas animações.

João acabou por criar também uma página de Facebook por “receber imensos emails com sugestões e propostas de outros pais” com programas e desenhos animados que os filhos veem.

O projeto surgiu a 21 de dezembro e conta com 93 músicas, 54 filmes completos e 1356 vídeos. Até agora, conta com um total de 560 mil pageviews e cerca de 16 mil visitantes, provenientes de Portugal, mas também de Angola, Brasil, Luxemburgo e França. Foi criado pessoalmente e “não tem qualquer intenção comercial”, revela João, ao ECO.

“Para o futuro, as intenções continuam fora do domínio comercial”, acrescenta. “Isto é mais um compromisso do que outra coisa. Vou fazê-lo por uma questão de satisfação pessoal, e porque sei que é útil. O ideal no futuro será fazer a manutenção, ter mais conteúdos, e criar a app”, acrescenta João Pina Souza.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tubezito: este YouTube é só para miúdos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião