Investimento em imobiliário ultrapassa 1,2 mil milhões de euros em 2016

A estabilidade económica do país está a atrair a procura e, feitas as contas, 85% do investimento feito no imobiliário em Portugal, no passado, foi de origem internacional.

O mercado imobiliário português transacionou um total de 1.254 milhões de euros no ano passado, segundo os dados recolhidos pela consultora JLL, no estudo Market 360º, apresentado esta quarta-feira. Este ano, acredita a consultora, também será de crescimento e o investimento vai voltar a ultrapassar os mil milhões de euros, pela terceira vez numa década.

O montante total de investimento representa uma quebra de 29% face a 2015, mas “não há motivos para alarme”, acredita Maria Empis, responsável pelo departamento de consultoria e pesquisa da JLL. “Em 2015, todo o produto estava disponível. Agora, começa a haver maior escassez de produto, pelo que é normal que haja uma quebra. Mas estamos a ser procurados”, assegura.

"Há mais confiança por parte dos investidores no nosso país e a procura internacional está cá.”

Maria Empis

Responsável pelo departamento de consultoria e pesquisa da JLL

A justificar esta dinâmica do setor está a estabilidade económica do país. “Ainda que não haja um crescimento exponencial, todos os indicadores da economia portuguesa estão a melhorar gradualmente”, aponta Maria Empis. Por isso, diz, “há mais confiança por parte dos investidores no nosso país e a procura internacional está cá”.

Isso mesmo mostra o retrato dos investidores que apostaram em Portugal: 35% do montante investido veio do Reino Unido, seguido por França (23%), Portugal (15%), Espanha (10%) e Estados Unidos (5%). Feitas as contas, 85% do investimento feito no imobiliário em Portugal é de origem internacional. Já no que toca à compra de casa, houve compradores de 43 nacionalidades diferentes.

O maior negócio do ano, segundo as contas da JLL, foi o do Campus da Justiça, no Parque das Nações, que foi comprado por 235 milhões de euros. Logo a seguir vem o Algarveshopping, comprado por 177 milhões de euros pela CBRE GIP.

"Em 2017, deverão manter-se os fatores de atração ao nosso mercado, entre os quais a volatilidade dos mercados financeiros, taxas de juro em mínimos, crescimento do turismo e estabilidade política.”

Fernando Ferreira

Diretor de Mercados de Capitais da JLL

Para este ano, a expectativa é que o investimento se mantenha acima da bitola dos mil milhões. “No curto e médio prazo, os volumes de investimento deverão manter-se elevados, acima dos mil milhões de euros anuais. 2017 deverá alinhar com esta tendência, mantendo-se os principais fatores de atração ao setor e ao nosso mercado, entre os quais se destacam a volatilidade dos mercados financeiros, taxas de juro em mínimos, crescimento do turismo e estabilidade política“, antecipa Fernando Ferreira, diretor do departamento de mercados de capitais da JLL.

Escritórios não chegam para a procura

Para 2017, a JLL elenca três grandes desafios para o setor imobiliário: a aposta em escritórios de qualidade, o desenvolvimento de grandes terrenos desocupados (como é o caso da antiga Feira Popular) e a estabilidade fiscal.

Neste momento, aponta a consultora, a oferta não está a conseguir responder à procura das grandes empresas que querem mudar a atividade em Portugal e que têm requisitos elevados. “Lisboa e Porto têm de ter escritórios novos de qualidade. As empresas acreditam cada vez mais que Portugal é um destino para se instalarem, mas começam a faltar escritórios que cumpram os requisitos exigidos”, refere Pedro Lancastre, diretor geral da JLL.

Seja como for, o mercado de escritórios “deverá continuar a evidenciar em 2017 o mesmo dinamismo observado ao longo de 2016”, aponta Mariana Rosa, responsável pela área de escritórios da JLL. A zona ribeirinha de Lisboa deverá ser uma “zona emergente para este segmento” durante este ano, detalha a responsável.

Ao todo, as empresas ocuparam perto de 141 mil metros quadrados no ano passado, ficando a área média por operação acima dos mil metros quadrados.

Turismo em alta. E já não é só em Lisboa

O turismo foi um dos principais motores do imobiliário no ano passado e a tendência será para continuar este ano.

A grande diferença em relação aos anteriores é que, agora, Lisboa já não é o único foco de atenção dos investidores que procuram ativos hoteleiros. “Está a haver uma dispersão a nível nacional. O Porto, o Algarve e a Madeira estão na mira dos investidores e mesmo cidades secundárias já merecem atenção, como Coimbra e Aveiro”, diz Karina Simões, responsável pela área de hotelaria da JLL.

Considerando os projetos que já tem na calha atualmente, a consultora antecipa que vão abrir entre 40 e 50 novos hotéis em todo o país, dos quais 23 apenas em Lisboa (num total de 2.175 quartos).

Na capital, há já nove projetos prontos para avançar este ano e no próximo: Hotel 1908, Turim Marquês de Pombal, Eurostars Cais de Santarém, Melia Convento de Santa Joana, Turim Boulevard, Melia Lisboa, Palácio Ludovice, Moov Lisboa Centro e Moov Lisboa Oriente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento em imobiliário ultrapassa 1,2 mil milhões de euros em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião