Investimento imobiliário continuará a crescer na Europa

  • Lusa
  • 17 Janeiro 2017

A consultora Cushman & Wakefield prevê um crescimento dos volumes de investimento imobiliário na Europa na ordem dos 6%.

A instabilidade política e económica esperada devido ao Brexit e à eleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos não vão travar o investimento imobiliário comercial em 2017 na Europa, segundo uma consultora.

No estudo “O Futuro do Investimento Imobiliário”, as previsões da Cushman & Wakefield apontam para um crescimento dos volumes de investimento imobiliário na Europa na ordem dos 6%, bem como para uma evolução positiva dos preços, esperando-se uma subida das rendas de entre 2% a 3%.

A consultora prevê que o setor imobiliário acabe por beneficiar dos vários riscos geopolíticos para a economia mundial devido ao seu “estatuto de porto seguro face ao aumento de risco esperado para o mercado de dívida pública”.

Para 2017, a elevada participação dos capitais norte-americanos no mercado europeu deve diminuir, “dado o esperado enquadramento de subida de taxas de juro, sendo substituída por capitais asiáticos e do Médio Oriente”.

Paris, Berlim, Frankfurt, Londres e Amesterdão devem liderar a captação de investimento, mas mercados periféricos com “evolução económica sólida, estabilidade política e qualidade de produto estarão também no radar”, como a cidade de Lisboa, a nível de escritórios e do retalho.

A reabilitação urbana é outra das tendências identificadas, com a capital portuguesa a oferecer um “vasto conjunto de oportunidades a preços competitivos à escala europeia”.

A previsão é que os mercados do Sul da Europa registarem uma quota de mercado na ordem dos 11% (face aos 10% atingidos em 2016), estando “Portugal e Espanha entre os mais populares”.

Em Portugal, as expectativas para a atividade de investimento imobiliário apontam para uma manutenção de volumes acima dos 1.000 milhões de euros, sendo muito provável que se ultrapasse o valor transacionado em 2016 (cerca de 1.300 milhões euros), o 2.º mais alto de sempre.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento imobiliário continuará a crescer na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião