Revista de imprensa internacional

Há novidades sobre o HSBC e sobre um processo por práticas anti-concorrência contra a Qualcomm. Mas, nesta volta pelo que se está a escrever lá fora, destacamos ainda Edward Snowden e Antonio Tajani.

A saída do Reino Unido da União Europeia continua a marcar a atualidade europeia. Na revista de imprensa internacional desta quarta-feira, o ECO destaca como o HSBC pode transferir para Paris algumas das operações comerciais que tem em Londres e como o Brexit deverá dar trabalho ao novo presidente do Parlamento Europeu. Entre outras coisas, destacamos ainda um processo contra uma grande empresa norte-americana.

Bloomberg

HSBC admite transferir algumas operações de Londres para Paris

O HSBC pode transferir para Paris algumas operações sedeadas em Londres e que, no total, estão na origem de 20% das receitas do banco. “Atividades especialmente cobertas por legislação da União Europeia podem ser movidas e, olhando para os nossos números, isso é cerca de 20% das receitas”, disse à agência Bloomberg Stuart Gulliver, o presidente executivo da companhia, referindo-se ao Brexit. Na entrevista, Gulliver disse ainda não esperar que haja uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, mas admitiu que, a acontecer, “seria claramente negativa para nós”. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

Politico

A lista de afazeres de Antonio Tajani

Aos 63 anos, Antonio Tajani foi eleito presidente do Parlamento Europeu esta terça-feira. O italiano substitui Martin Schulz, que saiu para regressar à política na Alemanha. Nesse sentido, a versão europeia do jornal Politico preparou a lista de tarefas que Tajani terá em mãos até ao final do mandato, onde estão incluídos temas quentes como as negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia, as novas regras para as migrações e o resgatar das políticas europeias de comércio. Entretanto, o novo presidente do Parlamento Europeu já garantiu que não se vai envolver em “agendas políticas”. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

Financial Times

Fabricante de processadores Qualcomm em sarilhos

A Qualcomm, fabricante de processadores, foi processada pelas autoridades norte-americanas devido à forma como a licenceia tecnologia para telemóveis. Alegadamente, a empresa terá recorrido a práticas ilegais para garantir um monopólio no tipo de processadores usados neste tipo de dispositivos. Segundo avança o Financial Times, o caso remonta a 2014 mas foi acelerado nas últimas semanas, à medida que a Administração Trump se prepara para tomar as rédeas ao país. No entanto, o processo não é consensual entre os comissários da Federal Trade Comission. Semanas antes, as autoridades da Coreia do Sul admitiram multar a empresa em 854 milhões de dólares por motivos semelhantes. (Acesso pago / Conteúdo em inglês)

The Guardian

Snowden pode ficar na Rússia por “mais um par de anos”

Edward Snowden, o antigo analista da Agência de Segurança Nacional (NSA) norte-americana e responsável por uma das maiores fugas de informação da história, recebeu permissão para ficar “mais um par de anos” na Rússia, onde se encontra asilado, noticia o jornal The Guardian. Foi Snowden quem passou à imprensa milhares de documentos que puseram a descoberto as operações de vigilância em massa levadas a cabo por aquela agência oficial. A decisão surgiu poucas horas depois de se saber que Barack Obama vai perdoar Chelsea Manning, a ex-militar que passou ao site Wikileaks cerca de 700 mil documentos confidenciais. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

Quartz

Tata Elxi quer testar carris autónomos em Bangalore, na Índia

Se desenvolver carros autónomos já é difícil que chegue, olhe-se então para a ideia da Tata Elxi: a empresa quer testar esta tecnologia na Índia, onde, conta a Quartz, os peões não têm regras, os condutores são desordeiros, os tuk-tuks são imprudentes e onde há cães, pequenas viaturas e, por vezes, elefantes. Os responsáveis da Tata Elxi estão já a envidar esforços para obter permissão das autoridades de Bangalore para avançarem com o projeto. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião