BCP afunda quase 10% com forte queda dos direitos

As ações do banco liderado por Nuno Amado estão a afundar em bolsa, corrigindo dos ganhos recentes mas, essencialmente, reflexo da forte pressão sentida nos direitos do aumento de capital.

O BCP está a cair quase 10%. As ações do banco, que dispararam desde o destaque dos direitos do aumento de capital, estão a reagir negativamente à queda expressiva registada no valor dos títulos que permitem aos investidores participar na operação de recapitalização do banco liderado por Nuno Amado. Os títulos perdem quase 40%.

BCP cai com os direitos

bcp-01

Depois de dispararem mais de 15% nas últimas sessões, as ações do BCP seguem a perder 6,65% para 15,03 cêntimos, tendo chegado a cair um máximo de 9,69% durante esta sessão. Uma pressão vendedora que reflete o recurso dos investidores a estratégias de arbitragem numa altura em que os direitos estão a ser negociado em bolsa a um valor inferior ao da cotação do BCP.

Os direitos foram destacados da ação a 66,5 cêntimos, tendo valorizado até aos 1,005 euros na última sessão antes da admissão à negociação no mercado acionista português. Na estreia em bolsa, esses direitos ficaram avaliados em 61 cêntimos, tendo chegado a cair um máximo de mais de 40% para 56,5 cêntimos.

Direitos afunda em bolsa

direitos-01

Estes títulos que permitem, cada um, comprar 15 novas ações do BCP, estão agora a cotar nos 70 cêntimos. Considerando esta cotação, mais os 9,4 cêntimos do preço de subscrição das novas ações, cada título do banco poderá ser adquirido pelos investidores a um valor de 14,06 cêntimos. Ou seja, menos do que o custo no mercado.

Há uma situação de desequilíbrio no mercado, com o mesmo ativo a ser avaliado de formas diferentes através das ações e dos direitos: com os direitos é possível obter um desconto de 6% nas ações do BCP. É algo com que os investidores procuram beneficiar, mas tendencialmente será uma situação provisória. O mercado tende a voltar a situações de equilíbrio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP afunda quase 10% com forte queda dos direitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião